Coronavírus: Farmácias adotam medidas para proteger funcionários

  • Por Caroline Hardt
  • 29/03/2020 17h17
ReproduçãoEmbora os itens de proteção estejam em falta, outros medicamentos são vendidos sem restrições e a procura cresceu 20% nas farmácias

Com o avanço do coronavírus no Brasil, farmácias adotaram medidas de segurança para proteger seus funcionários e diminuir os riscos de infecção pelo novo vírus.

Uso de máscaras, luvas e limpeza intensificada foram algumas dessas ações. Além disso, algumas unidades também instalaram correntes de isolamento para separar os clientes do balcão de atendimento, mantendo uma distância mínima de um metro entre o público e os funcionários.

Avisos também foram colocados no chão dos estabelecimentos para reforçar as medidas.

O farmacêutico Gabriel Guizalberte, que trabalha em uma das lojas da rede Farma Ponto em Lorena, no interior paulista, afirmou que as ações foram adotadas para proteger os trabalhadores e garantir a saúde dos próprios clientes.

De acordo com ele, as medidas foram instituídas nas quatro unidades da rede. As lojas também suspenderam, por tempo indeterminado, a aplicação de injeções e aferição de pressão para evitar o contato entre os trabalhadores e possíveis infectados pela covid-19.

Medicamentos

Gabriel conta ainda que, no momento, as farmácias não possuem álcool gel, máscaras de proteção e pastilhas de vitamina C, principais itens procurados pelos clientes. Segundo ele, os próprios distribuidores estão com dificuldade para atender à alta demanda.

Entretanto, embora os itens de proteção estejam em falta, outros medicamentos são vendidos sem restrições. Na unidade em que o farmacêutico trabalha, a procura por remédios de uso contínuo também foi intensificada.

“As pessoas estão fazendo estoques. Quem comprava uma caixa por mês está comprando duas ou três. Tivemos clientes que compraram mais de 10 caixas de dipirona, por exemplo. Como temos alto estoque do medicamento, vendemos sem restrição.”

Ainda de acordo com Gabriel, nos últimos dias, a circulação de clientes nas farmácias diminui, mas o número de pedidos para entrega aumentou em pelo menos 20%, o que levou a rede a contratar novos funcionários.

Guia de Trabalho

Pensando na proteção dos profissionais, a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (ABRAFARMA) divulgou três guias com medidas a serem adotadas para prevenir o contágio pelo novo coronavírus e para que as farmácias mantenham a “responsabilidade em proteger a população e seus funcionários”.

Nos documentos a entidade afirma que “a equipe deve estar apta a acolher, orientar e encaminhar possíveis pacientes” e colaborar “com a contenção da disseminação do novo coronavírus, causador da covid-19”.

Entre as indicações, a associação recomenda que as farmácias disponibilizem álcool gel 70% para higienização dos clientes; evitem aglomerações em filas e desinfectem a gôndola de remédios antitérmicos e antigripais com maior atenção.

Além das medidas de higiene, os guias também trazem orientações para identificação da doença e as ações que devem ser adotadas pelos profissionais caso de suspeitas do coronavírus. Entre elas está, para todos os idosos com mais de 60 anos que apresentarem sintomas grave do coronavírus, o encaminhamento imediato para o atendimento médico.

A ABRAFARMA também lançou um curso online gratuito para as redes associadas. O objetivo é disponibilizar treinamentos para preparar e orientar os trabalhadores para o enfrentamento da covid-19. Segundo a instituição, até o momento, sete mil profissionais já se inscreveram e 3,5 mil já concluíram as aulas.