Cruzeiros podem sofrer punições por descumprimento de protocolo contra a Covid-19

Sanções vão de multa até suspensão das atividades; Anvisa ainda recomendou ao Ministério da Saúde a paralisação temporária das operações na costa brasileira

  • Por Jovem Pan
  • 02/01/2022 16h15
JOSE LUCENA/THENEWS2/ESTADÃO CONTEÚDO Um homem e uma mulher acenam da cabine de um navio Movimentação de passageiros no navio Costa Preziosa, da MSC Cruzeiros, que atracou no Rio com cerca de 20 casos de Covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou neste domingo, 2, que vai apurar as transmissões comunitárias de Covid-19 ocorridas em navios de cruzeiro durante as festas de fim de ano e poderá até aplicar sanções caso sejam comprovados que as embarcações descumpriram protocolos sanitários. As punição vão de multa à suspensão das atividades. “De acordo com resolução da Anvisa, RDC nº 574, de 2021, as atividades das embarcações podem ser suspensas em decorrência da identificação de riscos à saúde pública ou do descumprimento das normas sanitárias vigentes. A embarcação Costa Diadema está com as suas atividades não essenciais proibidas bordo, devendo ser cumpridos os protocolos sanitários de segurança no interior até o desembarque de todos os viajantes. O MSC Splendida também teve a sua operação interrompida no dia 30 de dezembro, e a retomada de sua operação depende de nova avaliação. Por ora, elas estão impedidas de realizar novas operações”, informou a autarquia, em nota. O Costa Diadema navegava nas águas de Salvador. O Splendida estava em Santos.

A Anvisa ainda destacou que continua supervisionando as demais embarcações que operam na costa brasileira e já intensificou as ações de investigação epidemiológica e sanitária para controlar a transmissão do Sars-Cov-2 a bordo. Preocupada com a disseminação da variante Ômicron, a agência já recomendou ao Ministério da Saúde que os cruzeiros sejam suspensos na costa brasileira até que sejam debatidas as questões que envolvem uma eventual retomada das operações. “A Anvisa reitera a necessidade de suspensão provisória das atividades de navios de cruzeiro até que sejam apurados os indícios de descumprimento dos protocolos sanitários por parte das empresas responsáveis pelas embarcações.” A Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos discorda da sugestão da Anvisa e afirma que os navios que transitam na costa do país segue “rigorosos protocolos de saúde”.