Deltan diz que CNMP o puniu por ‘defender causa anticorrupção’ e irá recorrer da decisão

Procurador foi censurado por criticar Renan Calheiros em 2019; essa é a segunda pena mais grave do cargo logo após a advertência

  • Por Jovem Pan
  • 08/09/2020 16h48 - Atualizado em 09/09/2020 08h37
Pedro de Oliveira/ALEPProcurador Deltan Dallagnol reclamou de decisão do CNMP

O procurador Deltan Dallagnol, ex-chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, criticou a decisão do Conselho Nacional do Ministério Público que, nesta terça-feira, 8, lhe aplicou censura por publicações contra a eleição do ex-senador Renan Calheiros ao Senado Federal em 2018. “O Conselho Nacional do MP me censurou hoje por ter defendido a causa anticorrupção nas redes sociais, de modo proativo, aguerrido e apartidário. Discordo da decisão, que ainda há de ser revertida”, escreveu em sua conta no Twitter.

A sanção imposta a Deltan, de censura, é a segunda pena mais grave que pode ser aplicada aos procuradores – logo após a advertência. Na prática, pode dificultar a promoção ou benefícios de carreira dentro da Procuradoria durante o prazo de um ano. A condenação também constará na “ficha” do procurador caso ele seja julgado novamente no Conselhão, que poderá aplicar penas mais duras. O placar no CNMP foi de 9 a 1 pela punição. As declarações de Deltan aconteceram em janeiro de 2019 quando ele escreveu na rede social: “Se Renan for presidente do Senado, dificilmente veremos reforma contra corrupção aprovada. Tem contra si várias investigações por corrupção e lavagem de dinheiro. Muitos senadores podem votar nele escondido, mas não terão coragem de votar na luz do dia”.

*Com Estadão Conteúdo