Governo do Amazonas anuncia auxílio de R$ 600 para famílias em situação de pobreza

Valor será pago em três parcelas, cada uma de R$ 200,00, a partir de fevereiro; cerca de 100 mil famílias serão beneficiadas

  • Por Jovem Pan
  • 28/01/2021 14h46 - Atualizado em 28/01/2021 14h57
Herick Pereira/Secom/AmazonasO auxílio estadual foi anunciado nesta quinta-feira pelo governador Wilson Lima

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), anunciou nesta quinta-feira, 28, o lançamento de um auxílio emergencial estadual para 100 mil famílias em situação de pobreza no Estado. O benefício será pago em três parcelas, cada uma de R$ 200,00, a partir de fevereiro. “A primeira parcela será paga no início de fevereiro, a segunda no final de fevereiro e a terceira no mês de março. Esse cartão começa a ser distribuído a partir de segunda-feira, aqui em Manaus, e há todo um cronograma que foi projetado para o restante do estado”, explicou o governador.

Em Manaus, um cartão com o valor da primeira parcela será entregue em domicílio por meio de técnicos da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas) e do Fundo de Promoção Social e Erradicação da Pobreza (FPS) na segunda-feira, 1º. Segundo o governo, a entrega em domicílio vista “evitar a exposição dos beneficiários a um risco maior de transmissão da Covid-19. “Não é preciso ir no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), no Centro de Convivência, no banco ou em qualquer outro lugar para ter acesso ao cartão. Ele será entregue de casa em casa, até para evitar essa questão das aglomerações”, disse Lima.

Critérios de seleção

De acordo com a assessoria de imprensa do governo, as famílias foram escolhidas com base nos dados do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, extraídos pela Caixa Econômica Federal (CEF), sendo todos os dados do mês de novembro de 2020. A partir dessa seleção inicial, foram identificadas a quantidade por município e os beneficiários elegíveis, seguindo os seguintes critérios critérios: famílias em situação de “extrema pobreza” e “pobreza”; responsável pela unidade familiar com idade de 18 anos ou mais; famílias com quatro membros ou mais e famílias que recebem benefício do programa Bolsa Família.

Quanto a critérios de desempate, foram levadas em consideração: situação de pobreza da família (primeiro extrema pobreza, depois pobreza); número de filhos menores de 18 anos na família (de 0 a 6 anos; de 7 a 15 anos; de 16 anos a 17 anos, 11 meses e 29 dias): depois números de nutrizes na família; número de gestantes na família; e data de nascimento do responsável pela unidade familiar. Para saber se é beneficiário, o site do governo poderá ser consultado a partir de 1º de fevereiro, bastando informar o número do CPF e a data de nascimento. No portal será possível também verificar quais os estabelecimentos credenciados para uso do cartão.