Governo estuda novas formas para pagar tarifas de trens em São Paulo

  • Por Jovem Pan
  • 21/01/2019 17h09
José Patrício/Estadão ConteúdoObjetivo do governo é combater fraudes em Bilhetes Únicos

O governo de São Paulo está realizando estudos para criar um novo modelo de pagamento para tarifas do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O objetivo é combater fraudes. Apenas no ano passado, 6.610 Bilhetes Únicos irregulares foram apreendidos em todo o estado – a maior parte pela CPTM.

“Precisamos encontrar formas de atender melhor ao cidadão e de combater as fraudes, a venda ilícita de bilhetes que tanto prejuízo leva aos cofres públicos”, afirmou em nota o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy. “Nossas equipes técnicas estão dedicadas a encontrar soluções no menor prazo possível.”

Segundo a pasta, já há “estudos avançados” sobre o tema, e um novo modelo deve ser lançado “ainda neste ano”. Entretanto, o governo ainda não deu qualquer indicativo do que pode ser esperado, adiantando apenas que o sistema deve ser “mais seguro, moderno e eficaz”.

Na CPTM, 4.346 bilhetes foram recolhidos em 2018 – no Metrô, 2.264. Todos os cartões apreendidos são encaminhados à SPTrans para “sanções administrativas cabíveis”. O órgão é responsável pela gestão do Bilhete Único. Quem for flagrado comercializando ilegalmente cartões de acesso ao transporte pode ser detido e levado a uma delegacia, que vai investigar criminalmente o caso.

Nesta segunda-feira (21), uma reportagem da TV Globo mostrou a venda de bilhetes fraudados em São Paulo. Com até R$ 250 em créditos ativos, os cartões eram vendidos a R$ 100 pela internet e também na entrada de estações de trem. Algumas redes online – usadas para a comercialização do material – contam com mais de 100 mil inscritos.