Governo recorre de decisão que suspendeu o Enem no Amazonas

Estado do Norte brasileiro enfrenta grave crise sanitária por causa da pandemia do novo coronavírus e teve prova suspensa pela Justiça na quarta-feira

  • Por Jovem Pan
  • 14/01/2021 18h35 - Atualizado em 14/01/2021 20h31
ADRIANA TOFFETTI/A7 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOJustiça do Amazonas tinha determinado cancelamento da prova no estado

O governo federal, por meio da Advocacia Geral da União (AGU), recorreu nesta quinta-feira, 14, à decisão da Justiça Federal do Amazonas de suspender as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em todo o estado. Em documento, o órgão justificou que o cancelamento do teste no estado afetaria todo o país. “Refletirá nos cronogramas do Sisu, do Fies e do Prouni, resultando, necessariamente, em graves danos ao candidatos, a todas as instituições públicas e privadas envolvidas e ao interesse público como um todo”, diz trecho do recurso. Uma lista com medidas já anunciadas pelo Ministério da Educação para evitar a contaminação de outros alunos e a necessidade de aplicar a mesma prova a milhões de estudantes para garantir a isonomia do exame também foram citadas como motivos para o recurso.

O estado do Amazonas decretou a suspensão do Enem nesta quarta-feira, 13, em decisão do juiz federal José Ricardo Sales. O magistrado pedia que as provas fossem suspensas enquanto o estado de calamidade pública durasse na unidade federativa. Segundo dados do Ministério da Saúde, o Amazonas é o líder em mortes por Covid-19 no Norte do país, registrando 141,8 óbitos a cada 100 mil habitantes, ficando atrás apenas do Distrito Federal e do Rio de Janeiro. As provas do Enem são realizadas em dois finais de semana e estão marcadas para o próximo domingo, 14, e para o dia 27 de janeiro em todo o Brasil. O Amazonas registra 5,8 mil óbitos e mais de 219 mil casos desde o início da pandemia. Nessa quarta, o país ultrapassou as 205 mil mil mortes pela doença.