Grande São Paulo tem 90% dos leitos de UTI ocupados

Nesta segunda-feira, a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva no Estado é de 88,4%; são 10.244 pessoas internadas

  • Por Jovem Pan
  • 15/03/2021 13h49 - Atualizado em 15/03/2021 17h48
DEIVIDI CORREA/ESTADÃO CONTEÚDO AGE20210305167 - 05/03/2021 São 10.244 pacientes internados em leitos de UTI no Estado de São Paulo

O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou nesta segunda-feira, 15, que o índice de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na Grande São Paulo chegou a 90%. No dia 22 de fevereiro, a taxa de ocupação na Grande SP era de 68,8%. O Estado tinha 66%. Nesta segunda-feira, a taxa de ocupação de leitos de UTI no Estado é de 88,4%. São 10.244 pacientes em leitos de UTI, um aumento de 3.834 pacientes em relação a três semanas atrás. Portanto, uma média de 180 novos pacientes por dia. Em coletiva de imprensa do governo do Estado, Gorinchteyn informou que cerca de 63 dos 641 municípios de São Paulo já atingiram o limite de lotação dos leitos de UTI.

Já foram abertos mais de 1.118 leitos de Unidade Intensiva em São Paulo. A abertura de um novo hospital de campanha na capital ampliará o número de leitos. Serão 180 leitos: 130 leitos de enfermaria e 50 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O novo hospital de campanha será localizado no centro da cidade, no bairro Santa Cecília. O local foi cedido pela iniciativa privada e será equipado pelo governo estadual. Em relação aos casos de Covid-19, houve um aumento de 24,2% em relação à última semana epidemiológica. Os óbitos subiram 28,2%, registrando um recorde da taxa desde o início da pandemia. O número de internações teve um incremento de 19,8%. “Se nós pegarmos aquela primeira onda, que nós tivemos um pico máximo do número de pacientes albergados nas Unidades de Terapia Intensiva, tínhamos um número de 6.250. O número atual, de mais de 10 mil pacientes, é 63,9% maior”, alerta o secretário.

O governador João Doria afirmou que, desde de janeiro de 2021, o Ministério da Saúde não homologa mais leitos de UTI nos Estados. O repasse de verbas federais para o custeio de leitos de UTI foi determinado pela ministra do Supremo Tribunal Federal Rosa Weber no dia 27 de fevereiro. Na sexta-feira, 12, a ministra deu um prazo de 48 horas para que o governo federal explicasse o descumprimento da decisão liminar que previa o repasse. “O Ministério da Saúde respondeu à Procuradoria-Geral da União (PGR) que, sim, os leitos estavam sendo habilitados. A verdade: nenhum leito em São Paulo foi habilitado pelo Ministério da Saúde”, disse o governador.