Guedes afirma que privatização da Petrobras pode ajudar o país a combater a pobreza

De acordo com o ministro da Economia, dinheiro arrecadado com venda de estatais pode ir para fundos administrados pelo BNDES

  • Por Jovem Pan
  • 20/06/2022 19h16 - Atualizado em 20/06/2022 20h10
EDU ANDRADE/Ascom/ME Paulo Guedes Ministro da Economia, Paulo Guedes voltou a defender a privatização da Petrobras

O ministro da Economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes, voltou a defender que a Petrobras seja privatizada e declarou que seu lucro poderá financiar ações sociais no país. De acordo com o economista, o simples fato de colocar a empresa no mercado faria com que o valor passasse de R$ 450 bilhões para R$ 750 bilhões. O governo arrecadaria mais de R$ 250 bilhões por ser dono de mais de um terço da estatal. Guedes afirma que esse dinheiro deve ser “devolvido ao povo”.

As afirmações foram feitas nesta segunda-feira, 20, durante evento de aniversário de 70 anos do Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Vamos fazer um fundo de arrecadação da pobreza, de um lado, e o fundo de reconstrução nacional de outro, com o BNDES gerindo isso”, sugeriu Guedes. “Eu quero reduzir o Estado brasileiro, fazer uma transformação nesse capital público, em vez dele estar em formato de ações e empresas. Ter uma hidrelétrica nova do fundo de reconstrução nacional ou um repasse de recursos para erradicar a pobreza, uma transferência de renda, investindo no capital humano e nos mais frágeis”, completou.

Guedes ainda disse que os servidores públicos devem ter aumento de salário no próximo ano. Para ele, com a redução de gastos com a pandemia, o aumento da produtividade e a maior oferta de serviços digitais para a população, é possível satisfazer o funcionalismo. “Os governos passados contrataram 160 mil pessoas liquidamente. Se aposentam, por ano, de 20 mil a 30 mil. Fizemos o contrário. Os servidores se aposentaram e nós digitalizamos os serviços. A produtividade subiu, e pode haver aumento de salário brevemente”, concluiu.