IBGE: 4 em cada 10 empresas que paralisaram atividades apontam como causa a pandemia

Das 2,7 milhões de empresas em atividade na primeira quinzena de junho, 70% disseram que a Covid-19 teve impacto negativo

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2020 10h50 - Atualizado em 16/07/2020 10h55
EFE/ Fernando BizerraAinda de acordo com o IBGE, no começo de junho existiam 4 milhões de empresas ativas no Brasil

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou um levantamento inédito desta quinta-feira (16) que mostra que quatro em cada dez empresas que precisaram paralisar as atividades na primeira quinzena de junho apontam como causa a Covid-19. No total, cerca de 1,3 milhão de empresas encerraram as atividades de forma temporária ou permanente nos primeiros 15 dias de junho. Desse número, 39,4% apontaram como causa as restrições impostas pela pandemia do coronavírus.

“Esse impacto no encerramento de companhias foi disseminado em todos os setores da economia, chegando a 40,9% entre as empresas do comércio, 39,4% dos serviços, 37,0% da construção e 35,1% da indústria”, destacou o IBGE. O levantamento faz parte da primeira divulgação da pesquisa Pulso-Empresa: Impacto da Covid-19 nas Empresas, criada para avaliar os impactos empresariais do novo coronavírus.

Das 2,7 milhões de empresas com atividades nesse mesmo período, 70% disseram que a pandemia teve um impacto geral negativo sobre o negócio. Cerca de 16,2% declararam que o efeito foi pequeno ou inexistente. Apenas 13,6% afirmaram que a pandemia trouxe oportunidades e efeitos positivos. O segmento com maior impacto negativo foi o de Serviços (74,4%), seguido por Indústria (72,9%), Construção (72,6%) e Comércio (65,3%).

Ainda de acordo com o IBGE, no começo de junho existiam 4 milhões de empresas ativas no Brasil — 2,7 milhões (67,4%) estavam em funcionamento total ou parcial, enquanto 610,3 mil (15,0%) estavam fechadas temporariamente. Cerca de 716,4 mil (17,6%) encerraram as atividades de forma definitiva. Dessas, 715,1 mil eram de pequeno porte e 1,2 mil de porte intermediário. Nenhum empresa com mais de 500 funcionários fechou as portas. Mais uma vez, o setor de Serviços foi o mais afetado — com  334,3 mil empresas fechadas.