João Doria abre queixa crime contra vizinha após ser acusado de fazer festa na pandemia

Em suas redes sociais, político disse estar sofrendo intimidação de ‘bolsonaristas loucos’ que estão ameaçando sua casa e sua família

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2021 13h56 - Atualizado em 07/03/2021 20h33
ANTONIO MOLINA/ZIMEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOGovernador João Doria disse estar sendo vítima de difamação de 'bolsonaristas loucos'

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), informou via redes sociais que entrou com uma queixa crime neste sábado, 06, contra uma vizinha que teria produzido um vídeo fake sobre uma festa em sua casa durante a pandemia de Covid-19. Segundo o político, a mulher faz falsas acusações na gravação sobre seu filho estar dando a festa com som alto. A festa estava realmente acontecendo na rua do governador, mas em outro número. “Não houve portanto festa, música ao vivo e muito menos a prática de aglomeração na residência. O filho do governador sequer mora no local, nem estava em São Paulo nesta data”, diz nota. A pena para o crime de difamação é de um a quatro meses de prisão.

Em seu Twitter, Doria disse que “bolsonaristas loucos” estão tentando o intimidar com ameaças a sua casa e sua família. “Além de pedir apoio policial e tomar medidas legais, quero registrar meu repúdio a este comportamento. Onde vai parar o Brasil com tanta conflagração?”, escreveu o político. Todo o Estado de São Paulo está na fase vermelha do Plano São Paulo, a mais restritiva, desde este sábado, 06, e pelos próximos 15 dias devido ao aumento das ocupações de leitos de UTI para Covid-19 em todo o território.

Confira abaixo a nota na íntegra:

“O governador João Doria entrou neste sábado com queixa crime na polícia contra os responsáveis por um vídeo fake gravado da casa de sua vizinha. A vizinha chama-se Alessandra Maluf. Na filmagem, ela faz a falsa acusação de que o filho do governador estava fazendo festa em plena pandemia. A casa onde havia o som em volume mais alto fica na mesma rua onde reside o governador e seu filho. Mas nesta casa não havia festa, nem aglomeração. Foi solicitado à dona da casa que abaixasse o volume, e o pedido foi prontamente atendido por ela.

Não houve portanto festa, música ao vivo e muito menos a prática de aglomeração na residência. O filho do governador sequer mora no local, nem estava em São Paulo nesta data. A pena para crime de difamação é de um ano e quatro meses de prisão”.