Jovem de 18 anos invade escola e mata crianças e professora com facão em Santa Catarina

Suspeito deixou ao menos cinco mortos, sendo três alunos, uma funcionária e uma professora; ele tentou suicídio em seguida

  • Por Jovem Pan
  • 04/05/2021 13h01 - Atualizado em 04/05/2021 16h15
JOCIMAR BORBA/ISHOOT/ESTADÃO CONTEÚDOAutor das mortes atingiu as cinco vítimas com uma arma branca - um facão

Um jovem de 18 anos invadiu uma escola no município de Saudades, em Santa Catarina, na manhã desta terça-feira, 4, e deixou ao menos cinco mortos, sendo três alunos, uma funcionária e uma professora da Escola Infantil Pró-Infância Aquarela. Os óbitos foram confirmados pela Polícia Militar de Santa Catarina. Segundo a Polícia Civil, após entrar na escola, às 10h da manhã, o suspeito sacou um facão e golpeou as vítimas. A primeira a ser atingida foi a professora, de 30 anos, que correu para uma sala onde estavam quatro crianças, todas com menos de dois anos, e uma funcionária. Todas foram atingidas pelo autor. Apenas uma das crianças sobreviveu. Em seguida, ele tentou suicídio com golpes contra o próprio pescoço, além de abdome e tórax. Segundo o Corpo de Bombeiros, o autor do massacre foi encaminhado para o hospital de Pinhalzinho em estado “gravíssimo”. O delegado da Polícia Civil, Dr. Jerônimo, informou que o agressor não tem histórico de passagem policial. “A gente espera que ele sobreviva para que responda por esse crime que cometeu. Se ele sobreviver e for liberado, vamos fazer um procedimento na delegacia”, disseo. As equipes das polícias Militar e Civil, o Corpo de Bombeiros Militar e o Instituto Geral de Perícias estão no local para a conclusão das investigações.

A governadora em exercício de Santa Catarina, Daniela Reinehr (PSL), declarou luto de três dias em todo o Estado. “Decreto luto oficial de três dias após a tragédia em Saudades, onde morreram crianças e professoras de um centro de educação infantil. Manifesto profunda tristeza e presto minha solidariedade. Determinei que o governo dê todo o amparo necessário às famílias”, afirmou. O governador afastado Carlos Moisés (PSL) também se manifestou: “Notícia devastadora. Todas as energias das forças de segurança da região devem ser empregadas no esclarecimento desse trágico episódio”.