Marinha abre investigação para apurar causas da tragédia em Capitólio

Serão analisadas a segurança da navegação, a habilitação dos barqueiros e a observância das normas e legislações para navegabilidade na região

  • Por Jovem Pan
  • 09/01/2022 12h01
Reprodução/Twitter/@Bombeiros_MG Capitólio 50 agentes da Marinha e Bombeiros atuam nas buscas pelos desaparecidos neste domingo

A Marinha do Brasil abriu um inquérito para apurar as circunstâncias da tragédia ocorrida em Capitólio, Minas Gerais. Segundo uma nota emitida pela corporação, serão investigadas a segurança da navegação, a habilitação dos condutores dos barcos envolvidos, o ordenamento aquaviário do local e a observância das normas e legislações para navegabilidade na região. O Lago de Furnas, onde ocorreu o deslizamento de um grande bloco de terra, atingindo quatro embarcações e vitimando, ao menos, oito pessoas, está sob a jurisdição da Marinha, como aponta o decreto 32 de 2019 da prefeitura de Capitólio.

Após enviar equipes ao local que, neste domingo, 9, atuam nas buscas pelos desaparecidos, a Marinha interditou toda a região para realizar, em parceria com o Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Polícia Civil e Instituto de Medicina Legal (IML) de Minas Gerais, as buscas pelos desaparecidos e identificação dos corpos encontrados. As equipes que atuam no caso neste domingo mantém uma base de operações no Clube Náutico, em São João Batista do Glória, para coordenação das ações e repasse de informações.