Matéria-prima para produção da vacina de Oxford deve chegar ao Brasil no sábado, diz Ministério da Saúde

Primeiro lote do material deve permitir a produção de cerca de 7,5 milhões de doses do imunizante; o voo com insumo partirá de Xangai, na China, nesta sexta-feira

  • Por Jovem Pan
  • 04/02/2021 16h40 - Atualizado em 04/02/2021 17h16
Foto: CADU ROLIM/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOImunizante de Oxford será desenvolvido pela Fiocruz no Brasil

O Ministério da Saúde informou nesta quinta-feira, 4, que a matéria-prima chinesa para a produção da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca deve chegar ao Brasil neste sábado, 6. O voo com o insumo partirá de Xangai, na China, nesta sexta, às 7h35 (20h35 desta quinta-feira, horário de Brasília), e tem previsão de chegada no fim da tarde de sábado, às 17h50, no aeroporto internacional do Rio de Janeiro, RIOGaleão. O insumo, chamado de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), é necessário para que o imunizante possa ser produzido pela Fiocruz. A exportação do IFA estava prevista para janeiro, mas um imbróglio diplomático envolvendo Brasil e a China atrasaram a entrega do produto. O primeiro lote do material deve permitir a produção de cerca de 7,5 milhões de doses da vacina.

O uso emergencial do imunizante foi concedido especificamente para os 2 milhões de doses que foram adquiridos e importados do Instituto Serum, na Índia, em caráter emergencial e temporário. Com a chegada do IFA, a Fiocruz poderá produzir a vacina no Brasil. A instituição protocolou no último dia 29 o registro definitivo do imunizante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com a autorização da agência, a vacina poderá ser comercializada, distribuída e utilizada por toda a população. A Anvisa tem 60 dias para avaliar o pedido.