Morto por militares do Exército, músico foi atingido por nove tiros de fuzil, aponta laudo

O carro que o músico estava com a família foi atingido por 83 tiros

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2019 11h17
Wilton Junior/Estadão ConteúdoSegundo o laudo, os nove tiros que atingiram Evaldo entraram pelas costas – sete atingiram a região do peito e dois em sua cabeça

Um laudo de necrópsia concluiu que o músico Evaldo Rosa dos Santos, de 51 anos, que foi morto por militares do Exército em 07 de abril foi atingido por nove tiros de fuzil.

O documento foi obtido pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, e faz parte do Inquérito Policial Militar conduzido pelo Exército Brasileiro.

O carro que o músico estava com a família, entre as outras quatro pessoas estava uma criança de sete anos, foi atingido por 83 tiros. Segundo o laudo, os nove tiros que atingiram Evaldo entraram pelas costas – sete atingiram a região do peito e dois em sua cabeça. Ele morreu no local sem chances de ser socorrido.

O laudo é assinado pelo perito Leonardo Tauil e, segundo ele, os disparos que atingiram Evaldo Rosa vieram de baixo para cima e não há sinais de curta distância.

Luciano Macedo, catador de latas que tentou ajudar as vítimas, morreu atingido por três tiros.

Desde o ocorrido, nove militares estão presos – um tenente, um sargento e sete soldados. A Justiça Militar determinou a prisão dos nove militares que participaram da ação e entendeu que eles desrespeitaram o Código Militar.

A defesa dos militares recorreu à Procuradoria-Geral da Justiça Militar, em Brasília, e o subprocurador deu parecer pedindo a liberdade destes. O subprocurador entende que não se trata de delito militar, mas duplo homicídio envolvendo civis.

Será o plenário do Superior Tribunal Militar a decidir pela liberdade ou não dos envolvidos.