MPF pede absolvição de Lula e mais cinco em ação da Operação Zelotes

Procurador acredita que as provas colhidas na instrução processual não foram suficientes para comprovar as acusações da ação penal aberta em 2017

  • Por Jovem Pan
  • 28/05/2021 22h01
GABRIELA BILÓ/ESTADÃO CONTEÚDOLula e outros foram investigados na Operação Zelotes

O Ministério Público Federal se manifestou nesta sexta-feira, 28, pela absolvição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), do ex-ministro Gilberto Carvalho e de mais quatro denunciados na Operação Zelotes pela venda de uma medida provisória de 2009 ao setor automotivo. O parecer foi enviado à 10ª Vara Federal do Distrito Federal pelo procurador Frederico Paiva. Na avaliação dele, as provas colhidas na instrução processual não foram suficientes para comprovar as acusações. A ação penal foi aberta em 2017. “A denúncia foi devidamente acompanhada de prova da materialidade do crime e indícios suficientes de autoria. Mas a longa instrução processual, que foi submetida a todos os ditames do devido processo legal, não evidencia a participação de Gilberto Carvalho e Luís Inácio Lula da Silva no ajuste espúrio supostamente conduzido por Mauro Marcondes, pois não fica claro se a justificativa apresentada para justificar o atraso no repasse das quantias a Alexandre Paes dos Santos e José Ricardo dois Santos de fato aconteceu”, diz um trecho da manifestação.

No documento, o procurador reconhece a dificuldade de comprovar crimes de colarinho branco, mas conclui que a acusação falhou em produzir ‘prova acima de qualquer dúvida razoável’ sobre a denúncia. “Os denunciados são lobistas experientes, acostumados com as negociações subterrâneas que ocorrem na Capital Federal. Seria uma ingenuidade e uma demonstração de total alienação do mundo real exigir que fossem apresentadas provas diretas dos delitos de corrupção. Brasília, desde que foi fundada no ano de 1960, é notória por ser palco da captura do interesse público pelo poder econômico, que não economiza no uso de meios ilícitos para fazer valer seus interesses”, escreveu.

*Com informações do Estadão Conteúdo