Operação da Polícia Federal investiga fraude eleitoral no Paraná

Segundo as investigações, há evidências que a estrutura da Câmara de Pinhais foi utilizada para o crime

  • Por Jovem Pan
  • 14/10/2020 10h23 - Atualizado em 14/10/2020 10h24
MARX VASCONCELOS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Com as investigações, foi possível vincular os pedidos falsos a assessores de uma vereadora em exercício e candidata à reeleição

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira, 14, ação contra fraudes eleitorais no Paraná. Batizada de Operação Fake Address, a investigação apura ao menos 75 transferências de domicílios eleitorais com a utilização de comprovantes de endereço falsificados. Quatro mandados de busca e apreensão em endereços dos investigados estão sendo cumpridos, incluindo o gabinete de uma vereadora na Câmara Municipal de Pinhais. Há evidências que a estrutura da casa legislativa foi utilizada para prática das fraudes.

Com a pandemia, a Justiça Eleitoral permitiu que as transferências de domicílio eleitoral fossem realizadas por sistema eletrônico, denominado TITULONET. Com isso, ao receber os pedidos, a 188ª Zona Eleitoral de Pinhais, no Paraná, detectou que foram realizadas ao menos 75 transferências utilizando documentos residenciais falsificados. Após análise inicial do Juízo Eleitoral e do Ministério Público Eleitoral foi instaurado inquérito policial, iniciado em junho deste ano. Com as investigações, foi possível vincular os pedidos falsos a assessores de uma vereadora em exercício e candidata à reeleição. Também foram identificados indícios de que multas eleitorais dos títulos com situação eleitoral irregular foram pagas pelos investigados.