Confronto entre polícia e traficantes deixa ao menos 25 mortos no Rio de Janeiro

Operação teve tiroteio e invasão de casas na favela do Jacarezinho, na zona norte carioca; um policial civil morreu e dois passageiros se feriram por balas perdidas dentro de vagão do metrô

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2021 14h03 - Atualizado em 06/05/2021 16h39
Reginaldo Pimenta/Agência O Dia/Estadão Conteúdo Em favela do Rio, morador se esconde atrás de sofá velho na calçada enquanto caveirão da polícia passa pela rua Carro blindado da polícia passa por rua de favela durante operação no Jacarezinho, zona norte do Rio

Pelo menos 25 pessoas morreram na manhã desta quinta-feira, 6, em uma operação da Polícia Civil contra o tráfico de drogas no bairro do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Segundo a Secretaria de Polícia Civil do Estado, a ação foi baseada em informações concretas de inteligência e investigação de que traficantes vêm aliciando crianças e adolescentes para integrar a facção que domina o território. Os policiais alegam que a investida teve reação dos criminosos, “não apenas para fugir, mas com o objetivo de matar”. De acordo com a polícia, os criminosos exploram práticas como o tráfico de drogas, roubo de cargas, assaltos a pedestres, homicídios e sequestros de trens da SuperVia, dentre outros crimes praticados na região. Entre os mortos está o policial civil André Leonardo de Mello Frias, que trabalhava como inspetor na corporação. “Ele honrou a profissão que amava e deixará saudade. Mas também deixa o sentimento de que o trabalho não pode parar”, lamentou, em nota, a PCRJ. O número exato de suspeitos atingidos entre os outros 24 mortos não foi esclarecido pela polícia até o momento.

Ainda no começo da manhã, a SuperVia paralisou o funcionamento dos trens nas linhas entre as estações Belford Roxo e Del Castilho e Gramacho e Bonsucesso por causa da operação. O metrô do Rio também anunciou a paralisação de circulação entre as estações Maria da Graça e Triagem. Ainda assim, dois passageiros que estavam dentro de um vagão foram atingidos por balas perdidas. Em nota, além de lamentar a morte do policial, a Secretaria lamentou as “vítimas inocentes atingidas no metrô”, mas informou que elas sofreram apenas ferimentos leves e passam bem. O número de vítimas feridas não foi divulgado até o momento, mas a PCRJ confirmou mais dois policiais feridos. Boa parte dos atingidos foi levada ao Hospital Municipal Salgado Filho, no bairro do Méier. Do lado de fora da emergência, o desespero de parentes foi registrado.

Helicópteros ainda podiam ser vistos sobrevoando o bairro por volta das 14h. Membro da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o advogado Joel Luiz Costa usou as redes sociais para publicar imagens da operação registradas por moradores, classificando o ocorrido como “chacina do Jacarezinho”. Nelas, é possível ver manchas de sangue em salas e lajes, com móveis quebrados e marcas de tiros em paredes, assim como projéteis no chão. No começo da tarde, Joel anunciou a entrada “institucional” das comissões da OAB, da Alerj e da Defensoria Pública do Rio de Janeiro no bairro. Moradores se reuniram e andaram pelas ruas do bairro para pedir por justiça.