Queiroga diz que nota técnica com pedido de uso de autotestes no Brasil deve ser enviada à Anvisa nesta semana

Ministro acredita que estratégia pode ser útil do ponto de vista da saúde pública; uma política pública deve ser estruturada para orientar os locais de venda sobre a realização dos exames

  • Por Jovem Pan
  • 12/01/2022 11h22
Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo - 20/12/2021 De terno, camisa branca, gravata amarela e máscara, Marcelo Queiroga gesticula com as palmas das mãos abertas Ministro Marcelo Queiroga afirmou que o Brasil está 'se saindo bem' no combate à pandemia

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quarta-feira, 12, que a pasta enviará à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ainda nesta semana, uma nota técnica solicitando a autorização de uso de autotestes para o diagnóstico de Covid-19. Em conversa com a imprensa, ao ser questionado sobre o envio dos documentos, Queiroga informou que o Ministério da Saúde está “trabalhando nesta perspectiva”. “[Deve sair] essa semana, com certeza. Não é esse o problema. Esse é um dos pontos que pode nos ajudar. O problema é o vírus, que sofre mutações e está criando dificuldades no mundo inteiro. Aqui no Brasil estamos indo bem. Todos vocês são testemunhas”, apontou o ministro, que acredita que a aplicação de autotestes pode ser útil do ponto de vista da saúde pública.

Queiroga ressalta, no entanto, que é necessária uma política pública bem estruturada para que os locais de venda orientem corretamente a população sobre a realização do teste e para que o Ministério da Saúde seja prontamente informado a cerca de resultados positivos. “A Anvisa fez uma consulta ao Ministério da Saúde acerca de uma eventual política para a aprovação dos autotestes. Em um momento onde precisamos aumentar a capacidade de testagem, a iniciativa privada e cada um dos brasileiros que tem sintomas gripais podem, também, se somar à iniciativa de governo federal. O autoteste, desde que a farmácia que venda apoie os que compram na realização do teste, orientando-os para realizar da forma correta e para que seja informado os dados caso positivo ao Ministério da Saúde, pode se somar ao esforço do Ministério da Saúde e do poder público em geral”, pontuou o ministro. “Precisamos de uma política para que se faça isso de maneira sincronizada e que possa ser útil no ponto de vista da saúde pública”, enfatizou.