São Paulo tenta retomar rotina após segunda caótica; veja detalhes

  • Por Jovem Pan
  • 11/02/2020 10h44 - Atualizado em 11/02/2020 11h00
BRUNO ROCHA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Caos em SP: Bombeiros tiveram registro de 1.043 enchentes

A Grande São Paulo ainda sofre com os transtornos causados pela chuva contínua iniciada na noite de domingo e que travou a maior cidade do país neste início da semana. A chuva arrefeceu na manhã desta terça-feira, mas a mobilidade pela capital paulista segue comprometida em razão do trânsito carregado em algumas regiões – vias seguem bloqueadas para limpeza após as enchentes — e da lentidão de pelo menos uma linha da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). O rodízio de veículos segue suspenso.

O governo estadual informou que 516 moradores foram desalojados e 142 estão desabrigados.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, até as 7h foram registrados: 1 alagamento, 8 desabamentos/desmoronamento e 13 quedas de árvores. O balanço final de segunda-feira dos Bombeiros contabilizou: 1.043 enchentes, 193 desabamentos/desmoronamentos e 219 quedas de árvores.

A Secretaria de Educação informou que 45 escolas da rede estadual seguem sem aulas nesta terça.

O governador em exercício, Rodrigo Garcia, disse à Jovem Pan que o Estado de São Paulo está “insistindo e trabalhando” para aumentar as áreas de várzea. “A solução ideal seria remover essa população toda, mas o Estado não tem como fazer isso. Então fazemos o que é possível: rebaixar as calhas e construir piscinões.”

Transporte

Em entrevista ao Jornal da Manhã, o secretário dos Transportes Metropolitanos do Estado, Alexandre Baldy, disse que após as linhas da CPTM estão operando. Apenas a Linha 9 – Esmeralda apresenta velocidade reduzida entre as estações Santo Amaro e Osasco.

Ceagesp

O presidente do Sindicato dos Permissionários em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de São Paulo (Sincaesp), Cláudio Furquim, afirmou em entrevista à Jovem Pan que ainda não é possível contabilizar os prejuízos. A área foi uma das mais castigadas pelo temporal.

“Até o momento não é possível ter um número. Hoje estamos retirando os produtos descartados: frutas, legumes e tudo que foi atingido pela enchente. Estamos aguardando as pás carregadeiras para encher os caminhões, e em seguida, descartar tudo no aterro municipal”, disse. Confira a entrevista abaixo.