Sérgio Camargo anuncia que Mussum entrará em lista de homenageados da Fundação Palmares

Portaria publicada no Diário Oficial da União, no começo do mês, já havia definido que só poderão entrar na lista da instituição personalidades que já morreram

  • Por Jovem Pan
  • 29/11/2020 14h07 - Atualizado em 29/11/2020 14h09
Mussum faleceu em 29 de julho de 1994, aos 53 anos, vítima de complicações após um transplante de coração

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, publicou, neste domingo, no seu perfil no Twitter, que, a partir do dia primeiro de dezembro, a entidade reconhecerá Mussum como grande humorista e artista do samba. No dia 11 de novembro, foi publicada uma portaria no Diário Oficial da União com novas regras para a escolha de personalidades negras que vão integrar a lista da instituição. A principal delas é que só poderão entrar homenagens póstumas, ou seja, pessoas que já morreram. A decisão deve levar à exclusão da galeria de nomes como os dos cantores Gilberto Gil, Elza Soares e Martinho da Vila, por exemplo. Além disso, a biografia deve ser publicada de forma resumida, e a escolha da personalidade deve obedecer aos seguintes critérios: relevante contribuição histórica no âmbito de sua área de conhecimento ou atuação, princípios defendidos pelo Estado brasileiro, além de outros que “poderão ser avaliados, de forma motivada, no momento da indicação”.

Antônio Carlos Bernardes Gomes, conhecido como Mussum, faleceu em 29 de julho de 1994, aos 53 anos, vítima de complicações após um transplante de coração. Por mais de 20 anos, ao lado de Renato Aragão (o Didi), Dedé Santana e Zacarias, Mussum trouxe rizadas para todo país com o programa humorístico “Os Trapalhões”. O personagem ficou famoso por seus bordões e linguajar próprio: “cacildis, forévis, mé” caíram fácil no gosto popular.