‘Tenho convicção de que Baldy saberá esclarecer os acontecimentos’, diz Doria após prisão de secretário

Operação Dardanários apura esquema de conluio entre empresários e agentes públicos que tinham por finalidade contratações que eram dirigidas. Alexandre Baldy foi um dos alvos

  • Por Jovem Pan
  • 06/08/2020 10h44
Reprodução/TwitterAlexandre Baldy é secretário da gestão Doria

Após a prisão do Secretário dos Transportes Metropolitanos,  Alexandre Baldy, durante a operação Dardanários, deflagrada pela força-tarefa da Lava Jato, nesta quinta-feira (6), o Palácio dos Bandeirantes se pronunciou. Em nota assinada por João Doria, o governador reforça que os fatos que levaram às acusações contra Alexandre Baldy “não têm relação com a atual gestão no Governo de São Paulo” e, dessa forma, “não há nenhuma implicação na sua atuação na Secretaria de Transportes Metropolitanos”. “Na condição de Governador de São Paulo, tenho convicção de que Baldy saberá esclarecer os acontecimentos e colaborar com a Justiça”, disse o governador.

A ação mira desvios na Saúde do Rio de Janeiro e em São Paulo que envolvem órgãos federais. As primeiras informações dão conta de que a Polícia Federal identificou um conluio entre empresários e agentes públicos que tinham por finalidade contratações que eram dirigidas. O juiz federal Marcelo Bretas expediu 6 mandados de prisão e 11 de busca e apreensão em Petrópolis (RJ), São Paulo, São José do Rio Preto (SP), Goiânia e Brasília. Durante as buscas nos endereços de Baldy, a PF apreendeu R$ 90 mil em um cofre em Brasília.

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos confirmou que a Polícia Federal esteve na sede , em São Paulo, cumprindo mandado de busca e apreensão da Operação Dardanários, que foi expedido pela 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro. “Importante ressaltar que tal operação não tem relação com a atual gestão do Governo de São Paulo. A STM colaborou junto à PF enquanto estiveram no prédio. Após as buscas, nenhum documento ou equipamento foi levado pela Polícia Federal”, diz o texto.