‘Tratamento precoce da Covid-19 salva vidas’, diz Eduardo Pazuello ao assumir Ministério da Saúde

General assumiu definitivamente o cargo no Ministério da Saúde após 4 meses como interino; em cerimônia, novo ministro disse que ficar em casa esperando a melhora dos sintomas não era a melhor medida

  • Por Jovem Pan
  • 16/09/2020 19h20 - Atualizado em 17/09/2020 08h10
Marcelo Camargo/Agência BrasilO presidente Jair Bolsonaro dá posse ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no Palácio do Planalto.

O General do Exército Eduardo Pazuello tomou posse do Ministério da Saúde do governo de Jair Bolsonaro nesta quarta-feira, 16, após passar quatro meses como ministro interino. Pazuello assumiu o cargo após a saída de Nelson Teich, que ocorreu no dia 16 de maio. Durante o tempo em que ficou interinamente no ministério, o general defendeu o tratamento precoce da Covid-19, inclusive com o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina até para casos leves. Na cerimônia, Pazuello afirmou que ficar em casa esperando a melhora dos sintomas não é a melhor medida. “O aprendizado ao longo da pandemia nos mostrou que, quanto mais cedo atendermos os pacientes, melhores são suas chances de recuperação. O tratamento precoce salva vidas”, afirmou.

O general insistiu nesta atitude. “Temos falado dia após dia: não fique em casa esperando a falta de ar. Procure um médico já nos primeiros sintomas, receba o diagnóstico clínico do médico, inicie o tratamento.” Pazuello também ressaltou o número de recuperados da doença no Brasil, que agora somam mais de 3 milhões e 700 mil casos, de acordo com dados do próprio Ministério da Saúde divulgados nesta quarta-feira, e disse que isso se deve à conduta de procurar atendimento médico no início da manifestação da doença. O ministro ainda lembrou das mais de 134 mil vítimas do novo coronavírus. “Aqui, não posso deixar de me solidarizar profundamente com cada uma das muitas famílias brasileiras que perderam entes queridos para esta pandemia”, disse.

Durante a posse, Pazuello também relembrou a importância do Sistema Único de Saúde (SUS) no combate à pandemia e disse que não há possibilidade de colapso na área. “Reestruturamos o ministério, adequamos protocolos e combatemos não só a Covid-19, mas também as demais doenças que afligem o nosso povo. Para isso, utilizamos a melhor ferramenta que poderíamos ter, o SUS. O receio de que o sus entraria em colapso não pode mais existir. Isso não aconteceu e não vai acontecer”, completou.

O novo ministro da Saúde falou sobre um “novo normal” e falou que a “solução definitiva” para acabar com o novo coronavírus é uma vacina e que as medidas para adquiri-la já estão sendo tomadas. “Não medimos esforços na busca de uma vacina segura e comprovadamente eficaz para todos os brasileiros. O presidente assegurou, por meio de uma Medida Provisória, a compra de 100 milhões de doses de vacina em parceria com a Fiocruz. Além disso, estamos participando de outras iniciativas na mesma direção, negociando também nos fóruns internacionais, para ampliarmos o nosso leque de possibilidades.”