Chega à Índia diplomata envolvida em polêmica nos EUA

  • Por Agencia EFE
  • 11/01/2014 05h45

Nova Délhi, 11 jan (EFE).- A diplomata indiana envolvida em um escândalo nos Estados Unidos chegou por volta da meia-noite da sexta-feira em Nova Délhi, após deixar Nova York, para ficar livre de uma ação da justiça americana, informou neste sábado a imprensa da Índia.

A funcionária Devyani Khobragade voltou à Nova Délhi depois de uma manobra diplomática das autoridades indianas, que a transferiram do posto de vice-cônsul em Nova York para a delegação do país nas Nações Unidas para lhe oferecer imunidade total.

A disputa diplomática entre Washington e Nova Délhi, iniciada há um mês, causou sua saída abrupta dos EUA e a expulsão de um diplomata americano da Índia como represália.

O Departamento de Estado americano expressou seu mal-estar pela medida das autoridades indianas, que ontem deram 48 horas para que um diplomata da embaixada dos EUA, cuja identidade não foi revelada, deixasse o país.

Segundo fontes oficiais indianas citadas pela agência “Ians”, o diplomata expulso teve relação com o caso de Devyani.

“Lamentamos que o governo indiano considerou necessário expulsar um de nossos diplomatas”, disse em Washington a porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, segundo declarações repercutidas hoje pela imprensa indiana.

A polêmica começou com a prisão da então vice-cônsul em Nova York em dezembro do ano passado, depois de ser acusada de fraude pelas autoridades americanas.

Um júri federal de investigação acusou formalmente a diplomata nesta semana de dois crimes: mentir na solicitação de visto para sua empregada e falso testemunho.

Os Estados Unidos pediram à Índia que retirasse a imunidade diplomática de Devyani, mas o governo indiano se negou a fazê-lo e, por outro lado, transferiu a diplomata de posto para lhe conceder imunidade total e permitir sua saída do país.

De acordo com as autoridades americanas, Devyani falsificou há vários meses os dados sobre o salário da empregada doméstica -de pouco mais de um dólar por hora- para tramitar seu visto, e, além disso, reteve o passaporte da funcionária.

A doméstica, Sangeeta Richard, acabou fugindo por se sentir maltratada e denunciou seu caso para um grupo de ajuda a imigrantes, que iniciou a ação da promotoria de Nova York.

A prisão de Devyani gerou um incidente diplomático e uma onda de protestos antiamericanos na Índia, que desembocaram em uma série de medidas de pressão do governo indiano contra a embaixada dos EUA no país, que ainda estão vigentes.

A indignação de Nova Délhi aumentou quando Devyani disse que tinha sido “submetida à revista íntima” e colocada em uma cela com criminosos comuns. EFE

jlr-pmm/rpr