Coreia do Norte anuncia manobras com fogo real na fronteira com o Sul

  • Por Agencia EFE
  • 29/04/2014 00h37

Seul, 29 abr (EFE).- A Coreia do Norte notificou nesta terça-feira a Coreia do Sul de que realizará durante o dia um exercício militar com fogo real na fronteira do Mar Amarelo (Mar Oriental) entre os dois países, uma ação que poderia aumentar a tensão na região.

“Esta manhã as autoridades militares norte-coreanas nos comunicaram que vão realizar manobras com fogo real na LLN (Linha Limite do Norte)”, informou à Agência Efe um porta-voz do Ministério da Defesa de Seul.

Em resposta, o porta-voz afirmou que as Forças Armadas da Coreia do Sul “reforçaram suas posições de defesa” caso ocorra algum tipo de ameaça à segurança do país durante as manobras fronteiriças do Exército Popular da Coreia do Norte.

Além disso, o Ministério da Defesa sul-coreano prometeu responder “com firmeza” se alguns projéteis caírem em suas águas territoriais e alertou aos barcos de pesca locais para que não se aproximem na fronteira do paralelo 38, enquanto “monitora de perto” todos os movimentos do Exército do país vizinho.

As manobras norte-coreanas na península da Coreia acontecem apenas três dias depois da visita do presidente americano Barack Obama a Seul, que reiterou no fim de semana seu compromisso com o governo da Coreia do Sul de fazer frente a qualquer “provocação” de Pyongyang.

Obama também pediu que o regime de Kim Jong-un abandonasse seu programa de desenvolvimento de armas nucleares e advertiu que responderá firmemente diante de um novo teste atômico ou de mísseis, além de criticar a precária situação dos direitos humanos dos norte-coreanos.

A Coreia do Norte, por sua vez, respondeu com fortes críticas à visita do titular da Casa Branca, a quem acusou de realizar uma agressiva campanha de intimidação militar e difamação contra seu país.

Depois que as duas Coreias começaram o ano com aproximações promissoras, em março a tensão voltou a crescer na região com os exercícios militares conjuntos anuais Key Resolve e Foal Eagle de Seul e Washington.

Pyongyang respondeu a essas manobras com suas próprias ações militares, que incluíram múltiplos testes de lançamento de mísseis de curto e médio alcance.

No final de março, alguns dos projéteis do Exército Popular chegaram a cair em águas da Coreia do Sul, na mesma área na qual está programado o exercício norte-coreano de hoje, o que provocou uma troca de tiros no mar, mas que não teve maiores consequências.

As Coreias do Norte e do Sul permanecem tecnicamente em conflito desde a Guerra da Coreia (1950-53), que terminou com um armistício que nunca foi substituído por um tratado de paz definitivo.

Como herança do conflito, os EUA mantêm 28,5 mil efetivos militares na Coreia do Sul e se compromete a defender o país asiático em caso de ataque do Norte. EFE