Dólar dispara e bate R$ 5,65 em meio a discussões do Orçamento no Congresso

Na semana, a moeda acumula alta de 1,83%; no mês de agosto, a alta é de 5,97% e, no ano, de 37,88%

  • Por Jovem Pan
  • 20/08/2020 11h41 - Atualizado em 20/08/2020 11h50
Cris Faga/Estadão Conteúdo Mão segura cédulas de um dólar Na última quarta, a moeda americana fechou em alta de 1,14% a R$ 5,5287

A moeda norte-americana opera em forte alta na manhã desta quinta-feira (20) em reação a derrubada do veto do presidente Jair Bolsonaro ao reajuste de salários de servidores públicos, que aconteceu no Senado na quarta-feira (19). Às 11h17 o dólar subia 2,01% e era vendida a R$ 5,6400. Na máxima, até o momento, a moeda bateu R$ 5,6730. O dólar turismo era negociado em torno de R$ 5,92.

Na última quarta, a moeda americana fechou em alta de 1,14% a R$ 5,5287. É o maior patamar de fechamento desde 22 de maio, quando o dólar bateu R$ 5,5842. Na semana, a moeda acumula alta de 1,83%. No mês de agosto, a alta é de 5,97%. No ano, de 37,88%. Hoje, o Banco Central fará leilão de swap tradicional de até 10 mil contratos, com vencimento para março e setembro de 2021.

Entenda

Na última quarta-feira o Senado Federal decidiu derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro ao reajuste de salários de servidores durante a pandemia de Covid-19. O tema volta a ser discutido no Congresso, dessa vez pela Câmara dos Deputados, em sessão na tarde desta quinta-feira. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, o líder do governo na Casa, Ricardo Barros, disse que a vitória nessa votação é importante para o governo federal, mas acha difícil de acontecer porque muitos parlamentares são servidores públicos. Ainda de acordo com Barros, ir em frente com a decisão do Senado é um risco não só ao Orçamento de Guerra, mas também aos próximos Orçamentos. O congelamento dos reajustes até o fim de 2021 foi oferecido como contrapartida pelo governo ao pacote de socorro de R$ 60 bilhões aos estados e municípios.