Dólar poderia estar em R$ 4,20 se não fosse barulho político, afirma Guedes

Chefe da equipe econômica diz que propostas de pré-candidatos à Presidência em mexer no teto de gastos aumentam a desconfiança do mercado

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2021 20h15
Marcos Corrêa/PR Ministro da Economia, Paulo Guedes, ressaltou que trocas na pasta não foram motivadas por pressões políticas Ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que fundamentos econômicos deveriam deixar o real mais valorizado

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 17, que o dólar poderia estar cotado a R$ 4,20 caso não houvesse tanto “barulho político” no Brasil. Ao comentar os avanços feitos pela pasta no último ano, o chefe da equipe econômica disse que o real deveria estar mais valorizado. “O dólar poderia estar perfeitamente a R$ 4,80, R$ 4,50, R$ 4,20 se houvesse uma comunicação virtuosa e se tudo já estivesse sido percebido da forma que estamos percebendo”, afirmou em coletiva para explicar as ações do Ministério em 2021. O dólar encerrou esta sexta-feira com alta de 0,1%, cotado a R$ 5,685. Desde o início do ano o câmbio já acumula avanço de 9,6%, partindo de R$ 5,188 no dia 30 de dezembro de 2020.

Guedes afirmou que o câmbio reage ao cenário doméstico, principalmente aos questionamentos ao teto de gastos, a principal âncora fiscal da economia brasileira. O aumento da desconfiança do mercado iniciou com o apoio da equipe econômica à mudança no prazo para indexação do valor da inflação na regra, um dos pilares da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios. Para Guedes, no entanto, a temor é reflexo das sugestões de pré-candidatos à Presidência da República. “A dúvida é a seguinte. Quatro dos cinco candidatos estão dizendo que vão mexer no teto. Então mesmo que a gente se comprometa a fazer uma coisa muito austera, está todo mundo dizendo que vai chutar o teto para o alto. Os outros candidatos não estão comprometidos com esse símbolo de austeridade”, disse.