Dólar sobe com prévia da inflação a 10% em setembro e cenário exterior no radar; Bolsa cai

Risco de colapso da chinesa Evergrande e efeitos no mercado voltam a pressionar o humor dos investidores

  • Por Jovem Pan
  • 24/09/2021 11h04 - Atualizado em 24/09/2021 11h08
ROBERTO GARDINALLI/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDODólar avança com alta da inflação e tensão internacional

Os principais indicadores do mercado financeiro brasileiro operam no campo negativo nesta sexta-feira, 24, com a divulgação que a prévia da inflação bateu a marca de 10% em setembro. No cenário internacional, as atenções se voltam para a China e os impactos econômicos com o possível colapso da empreiteira Evergrande. Por volta das 11h, o dólar registrava avanço de 0,5%, cotado a R$ 5,335. O câmbio chegou a bater a máxima de R$ 5,353, enquanto a mínima não passou de R$ 5,315. A divisa encerrou a véspera com avanço de 0,1%, a R$ 5,310. O Ibovespa, referência da B3, registrava queda de 0,88%, aos 113.055 pontos. O pregão desta quinta-feira, 23, fechou com alta de 1,6%, aos 114.064 pontos — o terceiro dia seguido com variação positiva.

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, registrou aumento de 0,25 ponto percentual no mês de setembro, chegando a 1,14%. O índice divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi o maior desde fevereiro de 2016, quando a taxa foi de 1,42%, e o maior para um mês de setembro desde 1994. No ano, o índice acumula alta de 7,02%, enquanto a soma dos últimos 12 meses foi a 10,05%. Mais uma vez, a prévia da inflação foi puxada pelo encarecimento da gasolina e da energia elétrica. Ainda na pauta doméstica, a comissão especial da Câmara aprovou, na véspera, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma administrativa. O texto segue para o Plenário, onde deve passar por dois turnos de votação antes de ser encaminhado ao Senado. Na agenda internacional, o possível calote da gigante chinesa Evergrande e os seus impactos na economia do país e do globo voltaram a pressionar o humor dos mercados. Segundo a mídia local, Pequim avisou aos governantes do país para se prepararem para a queda da empresa, indicando que não vai interferir na situação.