Guedes diz que dispensou o FMI no Brasil: ‘Vai fazer previsão em outro lugar’

Ministro lembrou que o Fundo Monetário Internacional previu queda de 9,7% do Brasil e de 4% da Inglaterra: ‘Nós caímos 4%, e os ingleses, 9,7%’

  • Por Jovem Pan
  • 15/12/2021 18h34 - Atualizado em 16/12/2021 09h33
Aloisio Mauricio/Fotoarena/Estadão Conteúdo - 15/12/2021 Telões mostram Paulo Guedes discursando em auditório da Fiesp SP - BOLSONARO / FÓRUM FIESP - POLÍTICA - Acontece nesta quarta-feira (15), o Fórum Moderniza Brasil que conta com a participação de autoridades do Governo Federal, como Presidente da República, Jair Bolsonaro, o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas e o Ministro da Economia, Paulo Guedes. O evento acontece na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), localizado na Avenida Paulista. Na foto, imprensa é barrada e acompanha o evento por telão em sala fechada.

Durante participação no Fórum Moderniza Brasil, realizado na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou as previsões pessimistas sobre a economia do Brasil e disse que dispensou a visita do Fundo Monteário Internaciona (FMI). “Não há dúvida que há um caminho institucional para dar certo. E nós queremos dar essa guinada. No primeiro ano, foco nas finanças públicas. A reforma da Previdência acabou com privilégios e controlou essa dinâmica explosiva. Segunda maior despesa era os juros. Nós mudamos a política fiscal, reduzimos os juros e economizamos R$ 100 bilhões por ano. A terceira grande grande despesa é o funcionalismo. Quando você está em uma economia de guerra, ainda quer aumento de salário? Então, ali, economizamos R$ 160 bilhões”, destacou Guedes, enaltecendo as medidas tomadas por sua equipe econômica.

“A verdade é que tivemos um desempenho que surpreendeu o mundo. Acharam que ia cair 10%, caiu 4%. Disseram que ia entrar em recessão, voltou em V, com crescimento forte. E agora a desgraça foi rolada para o ano que vem. Vou dizer até com delicadeza que nós estamos dispensando o FMI. Ele estão aqui há bastante tempo, havia bastante desequilíbrio. E eu assinei: ‘Pode voltar, pode passear lá fora’. Vieram aqui para prever uma queda de 9,7%, e a Inglaterra ia cair 4%. Nós caímos 4%, a Inglaterra, 9,7%. Achamos melhor eles fazerem previsões em outro lugar”, declarou o ministro, arrancando aplausos da plateia.