Inflação está ‘endereçada’ pela política monetária, afirma Guedes

IPCA foi a 10,25% no acumulado de 12 meses em setembro, o maior valor em cinco anos; ministro da Economia reafirma que PIB vai crescer próximo de 2% em 2022

  • Por Jovem Pan
  • 08/10/2021 14h26
WALLACE MARTINS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Ministro da Economia, Paulo Guedes Ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento em Brasília

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 8, que a inflação brasileira está “endereçada” pela política monetária do Banco Central (BC), e que é normal a recente escalada do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O indicador oficial da inflação brasileira foi a 10,25% nos últimos 12 meses encerrados em setembro, o valor mais alto desde fevereiro de 2016. A variação de preços no mês atingiu 1,16%, o maior registro para o período desde 1994. “A inflação está alta em todo o mundo. Países que tinham zero, agora tem 5%. É natural que quem tinha média de 4%, 5%, passe a ter 8%, 9%.” Segundo o chefe da equipe econômica, a independência do BC é fundamental para trazer a inflação para baixo. “Nenhum governo teve a coragem, espírito público e convicção para garantir que o dinheiro não seja usado de modo errado”, disse durante evento com investidores internacionais promovido pelo Itaú.

Guedes também afirmou que acredita na aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios ainda neste ano. A comissão especial da Câmara dos Deputados para analisar a medida aprovou nesta quinta-feira, 7, o pedido de vista coletivo para adiar a votação para o dia 19. O relator da PEC, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), apresentou parecer favorável ao texto que visa alterar as regras de pagamento das dívidas da União que não possuem mais recurso. O relatório prevê o teto de R$ 40 bilhões para o pagamento anual dos precatórios, com base no valor cobrado em 2016, ano de criação do teto de gastos, corrigido pela inflação. Segundo o ministro, a aprovação será resultado de conversas com o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso. “Estamos criando uma solução, e vamos aprovar essa solução.” Guedes ainda disse que confia no Legislativo para aprovar a reforma administrativa também em 2021. ” “Acredito e vou lutar por isso. Estou confiante que o Congresso não vai falhar”, disse, ao afirmar o apoio dos parlamentares em outras medidas encaminhadas pelo governo federal.

O ministro voltou a falar que a economia brasileira cresce em “V” — quando uma queda forte é seguida pela alta robusta —, e que há muito barulho na política. Guedes reforçou a perspectiva de que o Produto Interno Bruto (PIB) vá crescer próximo de 2% em 2022. A previsão vai na direção opostas das estimativas do mercado financeiro, que revisaram a projeção da expansão no ano que vem para 1,57%. Outras previsões, no entanto, são mais pessimistas e enxergam o crescimento abaixo de 1%. “Nosso real problema é a inflação, mas o crescimento está vindo. Ainda não sabemos o nível, 2%, poderia ser um pouco mais, um pouco menos, mas estou falando apenas de fatos. Uma coisa é barulho, política, narrativas. Outra coisa são fatos”, disse.