‘Nenhuma crise fiscal dura mais de um ano e meio se tivermos coragem de assumir o orçamento’, diz Guedes

Ministro da Economia ressalta que o mais importante em tempos de crise é alocar bem os recursos ao invés de crescer demais os gastos

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2021 20h25 - Atualizado em 17/12/2021 20h27
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO O ministro da economia, Paulo Guedes Ministro da Economia, Paulo Guedes, evitou fazer comentários sobre mudanças na Petrobras

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comentou sobre as dificuldades em lidar com a pandemia de Covid-19 no Brasil do ponto de vista fiscal, durante entrevista coletiva na tarde desta sexta, 17. Para o ministro, a situação só não foi pior por conta da alocação de recursos nos setores mais importantes, como a saúde e a assistência social. “Nós acabamos de experimentar uma lição extraordinária: nenhuma crise fiscal durante mais de um ano e meio se tivermos coragem de assumir o orçamento. Está aqui o dinheiro da saúde, não pode gastar em outras direções. A crise durou um ano e meio. Onze Estados saíram do vermelho pro azul, cinco mil municípios melhoraram, o governo federal voltou ao equilíbrio, está tudo resolvido, porque nós tivemos coragem de fazer em um ano e meio, em tempos de guerra. Nós já estamos muito maduros, já vivemos o suficiente, já sofremos o bastante para saber qual o caminho certo”, disse o ministro. Guedes criticou por diversas vezes ao longo da coletiva a indexação do orçamento, ou seja, a obrigação de que determinadas fatias dos recursos devam ir para um fim. Por causa disso, o ministro afirmou que o mais importante é alocar de acordo com as necessidades de cada momento.