Nova gasolina chega em agosto e será mais cara, porém mais eficiente

A partir do dia 3, postos começam a vender o combustível de melhor qualidade; pesquisa internacional mostra que o novo tipo pode ter alta de até R$ 0,10 por litro na importação

  • Por Gabriel Bosa
  • 18/07/2020 07h00 - Atualizado em 18/07/2020 07h05
Fernando Frazão/Agência Brasil Aumento de 11% dos combustíveis puxou IPCA-15 no mês de março Preço doméstico da gasolina foi reduzido após a queda no preço do barril de petróleo

A partir de 3 de agosto, toda a gasolina vendida nos postos do Brasil será de melhor qualidade, seguindo padrões semelhantes aos dos Estados Unidos e de países da Europa. A vantagem, porém, terá um custo: o preço da gasolina vai subir. Isso vai acontecer por causa do melhor desempenho do combustível, segundo especialistas em energia. A Petrobras informa que o acréscimo no valor será compensando com o maior rendimento dos automóveis, que passarão a rodar mais quilômetros com a mesma quantidade de gasolina. A redução do consumo será de 4% a 6%, destaca a estatal – a mesma média percentual estimada por especialistas para o aumento do litro.

Além de render mais, o novo padrão imposto pela Agência Nacional do Petróleo e Biocombustíveis (ANP) deve dar mais longevidade aos automóveis, diminuindo os custos com manutenção e reposição de peças. A Petrobras informou que não estipula o custo ao consumidor e diz que é responsável “por apenas 28% do preço final da gasolina nos postos de serviço”. Segundo a estatal, a maior parte do valor é composta por impostos, o preço do etanol misturado no combustível e a margem de lucro das distribuidoras e revendedoras. A conta também leva em consideração a cotação do barril de petróleo no mercado internacional, o custo de transporte e a variação do câmbio.

Um levantamento feito pela Argus Media, organização internacional de estudo e análise do comércio de commodities, mostra que o litro da nova gasolina era negociado no iníco deste mês cerca de R$ 0,06 mais caro em relação à gasolina atual. Uma pesquisa realizada em junho com refinarias dos EUA e distribuidoras brasileiras apontou uma estimativa de aumento entre R$ 0,06 a R$ 0,10, por litro na importação. “O aumento acontece porque a nova especificação usa componentes mais caros no mercado internacional para atingir os padrões técnicos”, afirma Amance Boutin, especialista de combustíveis para o mercado brasileiro da Argus.

O que muda na nova gasolina

A nova composição da gasolina foi anunciada pela ANP em janeiro deste ano, para entrar em vigor em agosto, e vale para todo o combustível produzido nas refinarias brasileiras ou importado. Será dado prazo adicional de 60 dias para as distribuidoras e de 90 dias para os revendedores se adequarem, permitindo o escoamento de possíveis produtos comercializados até o dia 2 de agosto ainda sem atender integralmente às novas características. “Essas mudanças são importantes, pois conferem ao combustível maior eficiência energética, melhorando a autonomia dos veículos pela diminuição de consumo, melhoria na dirigibilidade e viabilização da introdução de tecnologias de motores mais eficientes, com menores níveis de consumo e emissões”, informou o órgão. A resolução define uma massa mínima de 715 kg/m³, que até então não era regulamentada. “A massa mínima é a quantidade de energia no litro da gasolina. Ou seja, com essa massa maior, o carro fará mais quilômetros com o mesmo litro”, explica o engenheiro Everton Lopes, da SAE Brasil (Sociedade de Engenheiros da Mobilidade), entidade internacional para estudos da mobilidade.

A partir de agosto, a gasolina também passará a ter um parâmetro mínimo de 50% para a destilação. Segundo o engenheiro, a mudança trará uma melhora na queima do combustível, impactando em maior resposta do motor. “Isso dá mais segurança ao motorista. Imagine que você está em uma ultrapassagem e precisa acionar o pedal para ter mais velocidade. Essa maior combustão melhora a queima, e dá uma resposta mais rápida.” Por último, a ANP estipula que a gasolina tenha um octanagem mínima padronizada. O valor será de 92 pela metodologia RON a partir de 3 de agosto, e 93 em 1o de janeiro de 2022. Para a gasolina premium, o valor deve ser 97 já na mudança deste ano. “Essa octanagem garante um melhor desempenho dos motores mais modernos, e a facilita a introdução de novas tecnologias”, explica Lopes.

Além de melhorar o desempenho dos carros, a nova formulação do combustível fará com que eles sejam menos poluentes, diminuindo em até 4% a emissão do dióxido de carbono. A mudança será mais sentida nos veículos fabricados a partir de 2003, com configurações de motor e engenharia mais modernos. Os carros mais antigos têm motores que não exigem tanto, então não deverão ter tanta diferença na quilometragem como os mais novos.

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.