Rendimento domiciliar brasileiro tem queda recorde e atinge menor valor desde 2012

Norte e Nordeste do país foram as regiões mais prejudicadas; diminuição da renda das outras fontes e concessão do auxílio-emergencial são alguns dos responsáveis por esse resultado

  • Por Jovem Pan
  • 10/06/2022 13h57 - Atualizado em 10/06/2022 14h24
Pixabay Moedas Rendimento médio do brasileiro tem queda recorde em 2021

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira, 10, dados que mostram que o rendimento médio mensal domiciliar caiu 6,9% no segundo ano da crise provocada pela pandemia de Covid-19, passando de R$ 1.454 em 2020 para R$ 1.353 em 2021. Este é o menor valor da série histórica, iniciada em 2012, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Os estados do Norte e Nordeste foram os mais prejudicados, apresentando queda de 9,8% e 12,5%, respectivamente, enquanto o Sul e Sudeste continuaram sendo os locais com maiores rendimentos (R$ 1.656 e R$ 1.645, respectivamente). Essa redução pode estar associada a ausência de renda extra, exceto as do aluguel, e a queda do rendimento médio do trabalho, explica a analista de pesquisa do IBGE, Alessandra Scalioni, que também aponta a mudança nos critérios de concessão do auxílio-emergencial ocorridas em 2021 como uma das principais causas.

Não foi só esse resultado que chama atenção, a queda no percentual de pessoas com algum rendimento também caiu. Saiu de 61% para 59,8%, retornando ao percentual de 2012, o menor da série. O rendimento médio mensal é calculado considerando pessoas que tenham algum tipo de rendimento, não importa qual seja ele. Agora, o domiciliar per capita considera a divisão do rendimento das pessoas que efetivamente o recebem entre as demais que vivem sob o mesmo teto.

O relatório do IBGE também apontou cinco tipos de renda que estão no nível mais baixo da série histórica, sendo que dois deles, Aposentadoria e Pensão e Outros rendimentos, apresentaram menor valor médio mensal. Desta forma, o item “Outras fontes”, que engloba, além desses, Aluguel e arrendamento (R$ 1.814) e Pensão alimentícia, doação e mesada de não morador (R$ 667), teve média de R$ 1.348, também atingindo o valor mais baixo.

Para Scalioni, a inflação pode ser apontada como uma das responsáveis por essas quedas, uma vez que os valores da aposentadoria acompanham o reajuste do salário-mínimo e grande parte dos aposentados ganha o piso. “Como os reajustes não estão compensando a inflação, é natural essa perda de valor”, afirma a analista. Esses resultados contribuíram para o aumento da desigualdade de renda no país. Após relativa estabilidade em 2019 (0,544) e queda em 2020 (0,524), o índice de Gini do rendimento médio mensal domiciliar por pessoa aumentou em 2021, voltando ao patamar de dois anos antes (0,544). Quanto maior o Gini, maior a desigualdade.

Entre 2020 e 2021, todas as regiões apresentaram um aumento, mas o destaque fica novamente com o Norte e Nordeste onde “o recebimento do auxílio-emergencial atingiu maior proporção de domicílios durante a pandemia e que, por isso, podem ter sido mais afetadas com as mudanças no programa ocorridas em 2021”, explica Scalioni. Ou seja, no segundo ano de pandemia, o 1% da população brasileira com renda mais alta teve rendimento 38,4 vezes maior que a média dos 50% com as menores remunerações.

*Com informações do IBGE