TCU aprova edital do leilão do 5G que prevê rede privativa para o governo

Texto foi encaminhado para a Anatel, que afirmou que já iniciou o trabalho de análise do edital e que aguarda a notificação formal do Tribunal para decidir próximos passos

  • Por Jovem Pan
  • 25/08/2021 20h22 - Atualizado em 25/08/2021 21h57
EFE/EPA/ANDY RAINSerão ofertadas quatro faixas de internet: 700 MHz; 2,3 GHz; 26 GHz; e 3,5 GHz

O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou o edital do leilão do 5G em votação realizada nesta quarta-feira, 25. Ao todo, foram sete votos favoráveis, incluindo o de Raimundo Carreiro, relator do tema, e um contrário. Com a aprovação, o documento seguirá para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que deverá publicar o edital e marcar o leilão, que está previsto para outubro. No leilão, serão ofertadas quatro faixas de internet: 700 MHz; 2,3 GHz; 26 GHz; e 3,5 GHz. Segundo o edital, o prazo de exploração das faixas será de 20 anos, sendo que o leilão será realizado em 16 lotes, que serão divididos entre nacionais e regionais. Após a decisão, a Anatel informou que já começou a analisar as determinações do TCU para o edital do leilão. Entretanto, a agência não divulgou os prazos de tramitação, dizendo que os próximos passos serão definidos a partir da notificação formal do TCU. Em seu parecer, Carreiro recomendou a inclusão da obrigação de levar internet móvel para escolas públicas, atendendo a um pedido da bancada da Educação da Câmara dos Deputados. Na versão final, os ministros decidiram manter a obrigatoriedade de instalação de uma rede privativa para o governo. Na visão de Carreiro, a medida é excepcional e deve ser adotada “por relevante interesse de caráter coletivo”.