Bolsonaro volta a criticar Alberto Fernández: ‘Povo argentino, vocês merecem’ 

O presidente da República detonou o mandatário argentino por querer ‘legalizar o aborto’

  • Por Jovem Pan
  • 09/10/2020 12h07 - Atualizado em 09/10/2020 12h08
Carolina Antunes/PRJair Bolsonaro voltou a atacar o presidente da Argentina, Alberto Fernández

Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar o presidente da Argentina, Alberto Fernández, em sua live semanal, na última quinta-feira, 8. Ao abordar o seu momento atual na presidência da República, ele também defendeu o ex-mandatário argentino, Maurício Macri. “O Macri se elegeu na Argentina há cinco anos, discurso parecido com o meu. Um dos primeiros países que conseguiram se ver livres da turminha do Foro de São Paulo. Era a turminha da Cristina Kirchner, da Dilma. [Macri] Não conseguiu fazer tudo que queria, tinha problemas. Como eu tenho. O que o pessoal fez com o Macri? Porrada nele o dia todo, inclusive chamando de abortista. O que aconteceu? Voltou a esquerdalha da Cristina Kirchner”, disse.

Durante a live, Bolsonaro comentou que leu notícias de que Fernández iria “legalizar o aborto” na Argentina – o projeto de descriminalização, que tem apoio do presidente argentino, está em pauta no Congresso e ainda precisa ser aprovado. Irritado com a atitude, o líder da nação brasileira também disparou contra a população da Argentina. “Tomei conhecimento o que está acontecendo com a Argentina. E detalhe, vi hoje na imprensa, se estiver falando a verdade a imprensa, tá lá agora o Fernández, o presidente, e a Cristina Kirchner, vão agora legalizar o aborto na Argentina. Deram tanta porrada no Macri, chamaram de tudo quanto é coisa, tá aí, povo argentino, lamento, é o que vocês merecem. Ta aí”, completou.

Bolsonaro critica Alberto Fernández desde 2019, quando ele foi eleito democraticamente pela população. Na ocasião, o brasileiro afirmou que não cumprimentaria o recém-empossado mandatário. Em outras oportunidades, Bolsonaro também cutucou Fernãndez, afirmando que ele era o responsável pela crise no país sul-americano.