Chefe da Otan condena ‘ataque não provocado e irresponsável’ da Rússia à Ucrânia

Embaixadores da aliança militar realizarão uma reunião de emergência na manhã desta quinta-feira para discutir situação no leste europeu

  • Por Jovem Pan
  • 24/02/2022 03h12 - Atualizado em 24/02/2022 03h43
Sem van der Wal/ANP/AFP/23.02.2022 No telão, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, condenou nesta quinta-feira, 24, o "ataque irresponsável" da Rússia à Ucrânia

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, condenou nesta quinta, 24 o “ataque irresponsável e não provocado” da Rússia à Ucrânia e alertou que isso coloca “inúmeras” vidas em risco. “Mais uma vez, apesar de nossas repetidas advertências e esforços incansáveis para se engajar na diplomacia, a Rússia escolheu o caminho da agressão contra um país independente e soberano”, disse Stoltenberg em um comunicado. Os embaixadores da Otan realizarão uma reunião de emergência nesta quinta-feira (24) de manhã para discutir o ataque, informou um funcionário da aliança. “Podemos confirmar que o Conselho do Atlântico Norte (o conselho de embaixadores) realizará uma reunião de emergência esta manhã (quinta-feira)”, declarou o funcionário. Stoltenberg oferecerá uma entrevista coletiva, prevista para as 8h30 de Brasília, acrescentou.

Stoltenberg descreveu os eventos como “uma grave violação do direito internacional e uma séria ameaça à segurança euroatlântica”. “Peço à Rússia que cesse suas ações militares imediatamente e respeite a soberania e a integridade territorial da Ucrânia”. Ele assegurou que “a Otan fará o que for necessário para proteger e defender todos os seus aliados”. Esta declaração acontece depois que o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma operação militar na Ucrânia. Explosões foram ouvidas em várias cidades do país. A Ucrânia não é membro da aliança militar de 30 países ocidentais, mas suas tentativas de se tornar parte dela irritaram Putin. O presidente russo exigiu garantias da Otan e dos Estados Unidos de que a Ucrânia nunca será admitida na aliança e deslocou milhares de tropas ao longo da fronteira com aquele país. Stoltenberg disse que a Otan não planeja enviar soldados para lutar na Ucrânia se a Rússia atacar.

*Com informações da AFP