Com retorno de casos locais, China enfrenta pior surto de Covid-19 desde março de 2020

As autoridades locais estão realizando testes em massa para detectar o novo coronavírus e isolando cidades com grande número de infectados; proximidade do Ano Novo chinês preocupa

  • Por Jovem Pan
  • 19/01/2021 10h51
EFE/EPA/JEROME FAVREApesar do aumento de casos e da orientação de ficar em casa, chineses não foram proibidos de viajar no Ano Novo Chinês

A China está enfrentando o seu pior surto de Covid-19 desde março de 2020. Segundo as informações divulgadas nesta terça-feira, 19, pela Comissão Nacional de Saúde da China, o país registrou mais de cem novos casos da doença pelo sétimo dia consecutivo. As 118 infecções reportadas nas últimas 24 horas chamam atenção pela incidência de transmissões locais: 43 resultados positivos, por exemplo, vieram da província de Jilin, onde um único vendedor teria sido o responsável por trazer o novo coronavírus após uma viagem à vizinha Heilongjiang. O jornal oficial Global Times classificou o homem de 45 anos como um “supercontagiador” e apontou que ele participou de pelo menos cinco eventos na região enquanto estava infectado pelo vírus.

Diferente do início da pandemia, a China tem evitado impor restrições a todo o território nacional. Dessa vez, a sua estratégia tem sido realizar testes em massa e impor medidas específicas nas regiões mais afetadas pela Covid-19. Mesmo com a proximidade do Ano Novo Chinês, que acontecerá entre 11 e 17 de fevereiro, o governo chinês não impôs restrições de viagem, delegando às autoridades locais a decisão de como agir durante o feriado mais importante do país. À princípio, a população está sendo orientada a permanecer em casa, mas não está sofrendo proibições.

Na província de Hebei, que reportou 35 casos no último dia, está sendo construído um centro de observação médica destinado a receber as pessoas que devem cumprir quarentena, incluindo tanto infectados quanto pessoas que tiveram contato com casos confirmados da doença. Ali, o transporte público foi suspenso e os moradores devem permanecer em casa. A segunda onda da Covid-19 na China acontece ao mesmo tempo em que o país recebe uma equipe, designada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para estudar as origens da pandemia.