Coreia do Norte pode apresentar novos mísseis balísticos em parada militar 

Ministro da Unificação da Coreia do Sul, Lee In-young disse aos legisladores que exibir um novo míssil poderia ser uma ‘demonstração de força de baixa intensidade’ antes da eleição presidencial dos EUA

  • Por Jovem Pan
  • 09/10/2020 11h10
EPA/YNAA Coreia do Norte é lidera por Kim Jong-Un

A Coreia do Norte pode apresentar novos mísseis balísticos no próximo sábado, 10, em um grande desfile militar que acontecerá na cidade de Pyongyang, em feriado que marca o aniversário de 75 anos do Partido dos Trabalhadores do país. De acordo com autoridades da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, o evento deve contar com uma demonstração de força por parte do líder Kim Jong-un. “Há uma possibilidade de que a Coreia do Norte revele novas armas estratégicas, como novos mísseis balísticos intercontinentais ou mísseis balísticos lançados por submarino, para chamar a atenção em um momento em que suas conquistas econômicas têm sido lentas,” disse o Ministério de Unificação do Sul, que lida com as relações com o Norte.

Ministro da Unificação da Coreia do Sul, Lee In-young ainda disse aos legisladores que exibir um novo míssil poderia ser uma “demonstração de força de baixa intensidade” antes da eleição presidencial dos Estados Unidos, que seria menos provocativa do que um lançamento ou teste nuclear”, comentou. Kim Jong-Un não revela novos artefatos desde 2018, ano em que o norte-coreano se encontrou com Donald Trump, presidente dos Estados Unidos e candidato à reeleição em novembro.

O tradicional evento contará com exposições de arte e indústria, um show de luzes, visitas a monumentos e cerimônias. Ainda assim, existe uma forte preocupação do governo para tentar evitar a propagação do novo coronavírus. A Coreia do Norte ainda não relatou nenhum caso da doença, mas possui medidas rígidas contra a Covid-19. “Tal evento é extremamente arriscado, pois se apenas algumas pessoas fossem positivas para a Covid-19 na multidão, eles poderiam criar um evento mortal do tipo super-propagador”, disse Harry Kazianis, diretor sênior de Estudos Coreanos no Centro para o National Interesse em Washington.

*Com informações de agências internacionais