CoronaVac recebe permissão islâmica de líderes religiosos da Indonésia

O Conselho Indonésio de Ulemás considerou o imunizante fabricado pela chinesa Sinovac adequado para os muçulmanos, que são maioria no país

  • Por Jovem Pan
  • 08/01/2021 15h54
EFE/EPA/HOTLI SIMANJUNTAKA Indonésia, de maioria muçulmana, é o país do Sudeste Asiático mais afetado pela pandemia do novo coronavírus

Os líderes religiosos da Indonésia anunciaram nesta sexta-feira, 8, que a CoronaVac foi considerada adequada para os muçulmanos. O imunizante, desenvolvido pela farmacêutica chinesa Sinovac, começará a ser aplicado no próximo dia 13, que é dono da maior população islâmica do mundo. A aprovação veio do Conselho Indonésio de Ulemás, que considerou a vacina “santa” e “halal”, palavra que se refere às ações e aos objetos permitidos pela religião. No entanto, a entidade aguarda o sinal verde da Agência Nacional de Controle de Medicamentos e Alimentos para emitir uma “fatwa”, ou seja, um decreto legal islâmico.

O porta-voz do gabinete do vice-presidente do país, Masduki Baidlowi, anunciou que tanto a “fatwa” quanto a certificação de emergência para a vacina serão liberadas a tempo do início das vacinações no dia 13. Com uma população de 267 milhões de habitantes, a Indonésia vai priorizar os seus 1,3 milhão de profissionais da saúde na campanha de vacinação contra a Covid-19. Na sequência, serão imunizados 17,4 milhões de funcionários públicos. O governo está considerando adiar a vacinação dos idosos enquanto aguarda mais dados sobre a eficácia da CoronaVac neste grupo. Enquanto isso, a Indonésia continua sendo o país do sudeste asiático mais atingido pela pandemia do novo coronavírus.

*Com informações da EFE