Covid-19: África compra 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca

Com mais 270 milhões de doses adquiridas e as outras 600 milhões que espera receber da Covax, o continente africano se aproxima do necessário para atingir a imunidade de rebanho

  • Por Jovem Pan
  • 28/01/2021 12h37
EFE/EPA/NIC BOTHMAA África do Sul, país mais atingido do continente pela pandemia da Covid-19, deve começar sua vacinação na próxima semana

A União Africana adquiriu mais 400 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. Antes, a organização internacional já havia acertado a compra de 270 milhões de doses do mesmo imunizante, mas o total ainda está longe dos 60% necessários para que o continente africano, que tem 1,3 bilhão de habitantes, alcance a imunidade de rebanho. Ainda assim, esse é um passo importante, que foi comemorado nesta quinta-feira, 28, pelo diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da África, John Nkengasong. “Estamos começando a ver um progresso muito bom”, afirmou.

Através da plataforma Covax, criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para garantir acesso global equitativo às vacinas, a África espera receber pelo menos mais 600 milhões de doses, o que a aproxima da meta de imunidade de rebanho. Alguns países específicos do continente também estão fazendo progressos em suas campanhas de imunização graças a acordos bilaterais diretos com países produtores e e empresas farmacêuticas. Por enquanto, Marrocos, o Egito e Seychelles são os únicos que já começaram a vacinar sua população.

A África do Sul, que é de longe o país mais atingido pela pandemia no continente, com 1.430.648 casos confirmados e 42.550 mortes, deve começar a sua vacinação na próxima semana. Nesta quarta-feira, 27, o país confirmou que em 1º de fevereiro o primeiro lote de vacinas da AstraZeneca, enviadas pelo Instituto do Soro da Índia. Lembrando que a África do Sul tem sofrido ainda com o surgimento de uma nova variante (501Y.V2) ainda mais contagiosa do coronavírus em seu território.