Protestos no Cazaquistão deixam mais de 160 mortos e 6 mil detidos

País com 19 milhões de habitantes passa pelas maiores manifestações desde sua independência, em 1989

  • Por Jovem Pan
  • 09/01/2022 17h42 - Atualizado em 09/01/2022 20h08
EFE/EPA/STRINGER Policiais cazaques fazem paredão durante protestos contra o aumento dos preços da energia em Almaty, Cazaquistão Policiais cazaques se agrupam durante protesto no Cazaquistão

Os protestos no Cazaquistão deixam 164 mortos e cerca de 2.000 feridos. Além disso, as autoridades anunciaram neste domingo, 9, que prenderam quase 6 mil pessoas vinculadas a essas revoltas sangrentas que abalaram durante toda a semana o maior país da Ásia Central. Os números não puderam ser confirmados por uma fonte independente, mas 103 mortes teriam sido registradas em Almaty, capital econômica, segundo informaram vários jornais, citando o Ministério da Saúde. O saldo se agravou: até então, fontes oficiais indicaram que 26 manifestantes morreram (chamados por elas de “criminosos armados”) e 16 membros das forças de segurança.

Na tarde de domingo, o comunicado desapareceu do canal do governo no Telegram, e o Ministério da Saúde indicou à mídia cazaque e russa que a informação foi publicada por engano. No entanto, não desmentiram a informação e não foram fornecidos novos números. No total, cerca de 5.800 pessoas foram detidas, “entre as quais muitos estrangeiros”, em 125 investigações diferentes, informou a presidência cazaque, em um comunicado, sem fornecer mais detalhes. “A situação se estabilizou em todo o país”, apesar de as forças de segurança continuarem realizando operações de “limpeza”, acrescentou a fonte, após uma reunião de crise convocada pelo presidente Kassym Jomart Tokayev.

O Cazaquistão, um país com 19 milhões de habitantes, rico em hidrocarbonetos, foi abalado por manifestações sem precedentes, as maiores desde sua independência, em 1989, nos quais morreram dezenas de pessoas. O protesto começou no domingo passado, 2, nas províncias, devido ao aumento dos preços do gás. Depois, se espalhou para as grandes cidades, incluindo Almaty, onde a polícia disparou balas reais contra os manifestantes. De acordo com o ministério do Interior cazaque, citado neste domingo pela imprensa local, os danos materiais foram estimados em cerca de 175 milhões de euros (R$ 1,1 bilhão).

Mais de cem empresas e bancos foram saqueados e cerca de 400 veículos destruídos. Almaty retornou a uma tranquilidade relativa nos últimos dias, mas agentes da polícia dão tiros de advertência para o alto para evitar que seus habitantes se aproximem da praça central da cidade, observou a reportagem no sábado, 8. Sinal do tímido retorno à normalidade, 30 supermercados reabriram neste domingo, segundo os jornais, pairando sobre a população a preocupação de uma possível escassez. O aeroporto local, que deveria reabrir nesta segunda-feira, 10, permanecerá fechado “até uma estabilização da situação”.

*Com informações da AFP