Dois terços dos países tiveram diminuição na média salarial, aponta OIT

Em algumas nações do terço restante, a pandemia do novo coronavírus gerou um crescimento artificial devido à diminuição de empregos com remunerações menores

  • Por Jovem Pan
  • 03/12/2020 15h32 - Atualizado em 03/12/2020 15h58
EFE/EPA/DEDI SINUHAJISegundo a OIT, as pessoas mais afetadas economicamente pela crise da Covid-19 foram as mulheres e aqueles que já recebiam salários mais baixos

Por meio de seu relatório salarial mundial, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) indicou que a pandemia de coronavírus fez com que as remunerações diminuíssem ou crescessem mais lentamente durante o primeiro semestre de 2020. Isso teria acontecido em dois terços dos países sobre os quais a entidade possui dados oficiais. Porém, algumas das demais nações tiveram um crescimento artificial. No Brasil, no Canadá, nos Estados Unidos e na França, por exemplo, a média salarial aumentou, mas apenas porque houve uma diminuição na quantidade de empregos, que atingiu justamente as pessoas que recebiam remunerações mais baixas. A previsão é que a crise causada pela Covid-19 continue pressionando os salários a diminuírem. A OIT também apontou que a pandemia de coronavírus afetou os países e as pessoas de forma desigual. As nações que tomaram medidas para preservar o mercado de trabalho, por exemplo, tiveram baixa de salários, mas não aumento no desemprego. Ao mesmo tempo, as mulheres e os trabalhadores com salários mais baixos têm sido os mais prejudicadas pela crise, o que aumenta desigualdades econômicas.

*Com informações de agências internacionais