Emirados Árabes ainda não enviaram prova de vida da princesa Latifa à ONU

A filha do governante de Dubai afirmou, em um gravação divulgada pela BBC, que está sendo mantida refém desde 2018, quando tentou fugir para o exterior

  • Por Jovem Pan
  • 05/03/2021 14h44 - Atualizado em 05/03/2021 14h52
Tiina Jauhiainen Wikimedia CommonsTanto a ONU quanto o Reino Unido pediram que os governantes dos Emirados Árabes provem que a princesa está bem e com vida

A Organização das Nações Unidas (ONU) disse que ainda não recebeu nenhuma prova do bem-estar da princesa Latifa Al Maktoum, filha do governante de Dubai. A entidade pediu aos Emirados Árabes que apresentasse uma prova de vida de Latifa após a emissora de televisão britânica BBC divulgar em fevereiro um vídeo em que ela afirma estar sendo mantida refém desde que foi impedida de fugir do país em 2018. A princesa teria conseguido fazer a gravação graças à ajuda de uma amiga, que teria conseguido lhe enviar um aparelho de telefone celular em segredo. Desde a divulgação do vídeo, no entanto, qualquer contato com Latifa foi interrompido. O seu pai, o sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum, é o vice-presidente dos Emirados Árabes e um dos chefes de estado mais ricos do mundo.

A princesa de Dubai foi vista em público pela última vez em março de 2018, quando tentou fugir para o exterior a bordo de um yatch. Segundo duas pessoas que teriam ajudado a princesa em sua tentativa de fuga, Latifa acabou sendo detida na costa da Índia e levada de volta ao seu país de origem por forças de segurança dos Emirados Árabes. Latifa afirma no vídeo divulgado pela BBC que, desde então, está sendo mantida em um confinamento solitário, sem acesso à atendimento médico ou ajuda judicial. “Eu sou uma refém. Essa mansão foi transformada em uma prisão. Todas as janelas estão trancadas, eu não consigo abrir nenhuma”, diz. “Todos os dias eu me preocupo com a minha segurança e a polícia me ameaça dizendo que eu nunca verei o sol de novo. Eu não estou segura aqui”, completa.