Princesa de Dubai afirma que está sendo mantida refém desde 2018

A filha do primeiro-ministro dos Emirados Árabes estaria trancada dentro de uma mansão desde que foi detida na costa da Índia há três anos, enquanto tentava fugir do seu país natal

  • Por Jovem Pan
  • 17/02/2021 11h07 - Atualizado em 17/02/2021 15h49
Reprodução Twitter TeamFreeLatifaA princesa Latifa utilizou um celular que mantém em segredo para revelar que está sendo mantida dentro de uma mansão contra sua vontade

A filha do primeiro-ministro dos Emirados Árabes, Sheikha Latifa bint Mohammed Al Maktoum, afirma ter sido sequestrada em gravações que foram divulgadas nesta terça-feira, 16, pela emissora de televisão britânica BBC. No vídeo, ela diz: “Eu sou uma refém. Essa mansão foi transformada em uma prisão. Todas as janelas estão trancadas, eu não consigo abrir nenhuma”. A herdeira do bilionário Sheikh Mohammed bin Rashid al Maktoum, que governa Dubai, foi vista em público pela última vez em março de 2018, quando tentou fugir para o exterior a bordo de um yatch. Segundo duas pessoas que teriam ajudado a princesa em sua tentativa de fuga, Latifa acabou sendo detida na costa da Índia e levada de volta ao seu país de origem por forças de segurança dos Emirados Árabes.

A princesa Latifa afirma que, desde então, está sendo mantida em um confinamento solitário, sem acesso à atendimento médico ou ajuda judicial. “Todos os dias eu me preocupo com a minha segurança e a polícia me ameaça dizendo que eu nunca verei o sol de novo. Eu não estou segura aqui”, completa. As imagens obtidas pela BBC teriam sido gravadas com um celular dado em segredo por uma amiga da princesa, a finlandesa Tiina Jauhiainen, que expressou sua preocupação. “Ela está tão pálida, ela não vê a luz do sol há meses. Ela basicamente só pode ir do quarto para a cozinha”, disse em entrevista à emissora britânica. Desde a tentativa de fuga em março de 2018, organizações de direitos humanos vêm pedindo pela libertação da princesa Latifa, que os Emirados Árabes alegam estar em segurança sob os cuidados de sua família.

Após a divulgação do vídeo nesta terça-feira, 16, a Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou que vai abordar a questão com o governante de Dubai, o Sheikh Mohammed bin Rashid al Maktoum. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, também afirmou que o seu governo está “preocupado” com a situação, mas que pretende esperar para ver como a ONU conduzirá a investigação sobre o possível sequestro antes de tomar qualquer decisão. A princesa Latifa já tinha tentado fugir quando ainda era adolescente, em 2002. Logo depois, ela publicou um vídeo no Youtube em que dizia ter sido torturada e detida por três anos como punição.