Erupção nas Canárias: Governo espera piora na qualidade do ar após encontro da lava com o mar

Dióxido de enxofre emitido na erupção pode ser prejudicial à saúde; quatro cidades estão em confinamento e mais de 6 mil pessoas precisaram ser retiradas de casa

  • Por Jovem Pan
  • 30/09/2021 18h50 - Atualizado em 30/09/2021 18h59
EFE/MIGUEL CALEROGases tóxicos podem ser espalhados para algumas cidades de La Palma

O governo das Canárias afirmou nesta quinta-feira, 30, que espera que a qualidade do ar em La Palma, ilha na qual o vulcão Cumbre Vieja está em erupção há mais de 10 dias, piore por causa do constante fluxo de lava que cai no mar desde a última terça-feira, 28. A mudança na direção dos ventos que batem na ilha deve trazer o dióxido de enxofre emitido pela erupção para novas áreas que não foram evacuadas por não estarem no caminho da lava. O município de Tazacorte, onde o magma se encontrou com o oceano Atlântico, já teve altos valores de dióxido de enxofre no ar aferidos nesta quinta e a situação pode piorar nesta sexta, quando as substâncias devem se espalhar para Los Llanos de Aridane e El Paso. Segundo a Agência EFE, testemunhas narram que o cheiro nas partes mais afetadas da ilha é semelhante ao de ovos podres.

A lava da erupção havaiana registrada no Cumbre Vieja (mais fluida do que as anteriores) continua a descer em direção ao mar em uma cascata que já atingiu 24 metros de profundidade, de acordo com o Instituto Geográfico Nacional da Espanha. Uma nuvem de vapor de água com gases tóxicos se concentra na região e pode ser prejudicial à população local. Além das “zonas de exclusão” criadas em torno do ponto de erupção, na parte da costa em que a lava está desembocando e ao redor da área de encontro do magma com o mar, quatro cidades estão em confinamento e seis mil pessoas foram retiradas das próprias residências. A orientação do governo para aqueles que precisam sair às ruas é de que todos usem máscaras PFF2 para evitar irritação e problemas respiratórios causados pelas cinzas ou gases tóxicos. Segundo o último balanço divulgado pelo satélite Copérnico, da União Europeia, até o momento 981 edifícios foram afetados pela lava e 855 completamente destruídos. Quase 30 quilômetros de rodovias estão completamente devastados e a nuvem de cinzas se eleva a 5 mil metros acima do nível do mar. A sismicidade do local está focada na mesma área dos primeiros dias de erupção, o que mostra um padrão estável do fluxo de lava.