Incêndios matam pelo menos 15 pessoas nos EUA; 500 mil estão desabrigados

Na região noroeste da Califórnia, o incêndio recebeu o nome “August Complex Fire”e se tornou o maior da história do Estado ao atingir 190 mil hectares

  • Por Jovem Pan
  • 11/09/2020 10h57 - Atualizado em 11/09/2020 11h01
EFE/EPA/PETER DASILVANo Oregon, 500 mil habitantes receberam ordem para abandonar suas casas

Os bombeiros continuam trabalhando, nesta sexta-feira, 11, contra as dezenas de incêndios que devastam há alguns dias a Costa Oeste dos Estados Unidos (EUA). As chamas causaram a morte de pelo menos 15 pessoas, além de ter obrigado mais de 500 mil habitantes a abandonarem suas casas. A destruição é difícil de descrever e os prejuízos ainda impossíveis de calcular nos Estados da Califórnia, Oregon e Washington. Os bombeiros não conseguem ter acesso a algumas áreas e as chamas são atiçadas pelas temperaturas elevadas e ventos secos. As autoridades atualizaram diversas vezes desde a quinta-feira, 10, o balanço de vítimas, que inclui um bebê no estado de Washington.

Na região noroeste da Califórnia, o incêndio que recebeu o nome “August Complex Fire”, um conjunto de 37 focos de chamas, se tornou oficialmente o maior da história do Estado ao atingir 190 mil hectares. No Oregon, 500 mil habitantes receberam ordem para abandonar suas casas e o “número continua aumentando”, afirma comunicado de autoridades do Estado, onde os bombeiros lutam contra incêndios que alcançam uma superfície de 365 mil hectares. Ao menos cinco localidades do Estado ficaram destruídas, anunciou a governadora Kate Brown. Ela explicou que a superfície devastada pelas chamas nas últimas 72 horas representa o dobro da superfície afetada pelo fogo no estado, em média, a cada ano. Em Molalla, cidade ao sul de Portland, também no Oregon, a polícia trabalha para convencer os moradores a abandonar a região.

Já no norte da Califórnia, no condado de Butte, devastado por incêndios em novembro de 2018, a polícia anunciou mais sete mortes nas últimas horas, o que elevou o balanço de vítimas nesta área para 10. Ao sul, perto de Fresno, muitos moradores foram obrigados a fugir em poucos minutos. Tina Rose, 29 anos, disse que viu a montanha “ficar vermelha” pelo efeito das chamas. “Estávamos preparando as malas e ouvimos quando tanques de gás propano explodiram. Decidimos que deveríamos sair na hora porque o fogo avançava”, explica a mulher. Em todo o Estado, mais de 20 focos estão ativos e o fogo já consumiu no decorrer do ano 12.500 quilômetros quadrados, um recorde desde o início das estatísticas em 1987. Perto de Los Angeles, o incêndio “Bobcat” continua fora de controle e já destruiu 9 mil hectares. No Estado de Washington, mais de 200 mil hectares foram consumidos pelas chamas, de acordo com o governador Jay Inslee.

Auxílio

Quando os incêndios florestais começaram a consumir comunidades em Oregon, os líderes do escritório estadual de gerenciamento de emergência enviaram um e-mail para seus colegas de todo o país implorando por dez equipes de combate a incêndios que poderiam trazer equipamentos extras para a região. O Estado teve uma resposta: Utah enviaria uma equipe. Enfrentando um ano histórico de destruição por incêndios florestais em toda a Costa Oeste dos EUA, os sistemas nacionais de emergência que dependem da assistência de Estado para Estado estão cedendo sob a pressão. Isso deixou as equipes de emergência lutando para combater incêndios que destruíram cidades inteiras.

*Com Estadão Conteúdos