Governo do ditador Nicolás Maduro afirma ter ‘preocupação’ com invasão no Capitólio dos EUA

Por meio de ministro das Relações Exteriores, Venezuela classificou o episódio como ‘lamentável’ e disse que país norte-americano vive espiral de violência

  • Por Jovem Pan
  • 07/01/2021 00h16 - Atualizado em 07/01/2021 01h24
EFE/EPA/Miraflores Press Governo de Nicolas Maduro se posicionou com nota oficial pelas redes sociais

O governo do ditador Nicolás Maduro publicou nota na tarde desta quarta-feira, 6, demonstrando “preocupação” com os casos de violência registrados durante a invasão do Capitólio, que deixou uma mulher morta e pessoas feridas durante o evento que formalizaria a posse do presidente eleito Joe Biden nos Estados Unidos. A nota divulgada nas redes sociais pelo ministro do Poder Popular para Relações Exteriores, Jorge Arreaza, afirma que o país, que vive uma grave crise política e econômica, “condena a polarização política e a espiral de violência” pelo qual passa o sistema político e social dos EUA.

O texto oficial também classifica como “lamentável” o episódio registrado nesta quarta e diz que “os Estados Unidos padecem do mesmo que têm gerado em outros países com as suas políticas de agressão”. “A Venezuela deseja que em breve os casos de violência acabem e que o povo estadunidense possa finalmente se abrir a um novo caminho até a estabilidade e justiça social”, finaliza o documento. A invasão do capitólio, registrada durante a cerimônia de formalização da posse de Biden, ocorreu após uma série de mensagens inflamadas do presidente Donald Trump nas redes sociais, Ao longo da semana, o republicano insistiu que as eleições de 2020 tinham sido fraudadas e que o “povo norte-americano” desejava uma nova votação. A posse do presidente eleito Joe Biden deve ser realizada no dia 20 de janeiro.