Hamas e Egito negociam futura trégua com Israel e abertura de fronteira

  • Por Agência EFE
  • 03/08/2018 16h15
EFE/ Mohammed SaberRepresentantes do Hamas chegaram a um "consenso" com os negociadores egípcios para acalmar a situação na Faixa de Gaza

Representantes do movimento islamita Hamas chegaram a um “consenso” com os negociadores egípcios durante os contatos que estão mantendo no Cairo para relançar o processo de reconciliação palestina e acalmar a situação na Faixa de Gaza, informaram nesta sexta-feira (3) à Agência Efe representantes do grupo.

Fontes da delegação do Hamas que está no Cairo nesta semana detalharam de forma anônima que os delegados do movimento islamita chegaram a “entendimentos” com o Egito para que negocie um futuro cessar-fogo com Israel em Gaza e abra a passagem fronteiriça de Rafah entre a Faixa e a península egípcia do Sinai.

Segundo as fontes, o Egito apresentaria uma iniciativa para a reconciliação entre Hamas e o partido Fatah e, se esta tiver êxito, a Autoridade Nacional Palestina (ANP) assumiria o poder em Gaza, como estipula o acordo entre os dois rivais palestinos selado no Cairo em outubro de 2017.

Nesse caso, a ANP administraria o cruzamento de Rafah, que atualmente está em mãos do Hamas, embora seja o Egito que decide quando é aberta a fronteira para pessoas e mercadorias, e de fato as autoridades egípcias mantêm um bloqueio quase absoluto sobre o pequeno enclave litorâneo.

As fontes agregaram que o Egito negociaria uma trégua a longo prazo entre Hamas e Israel, tanto se alcançar a reconciliação entre as facções palestinas como se a iniciativa fracassar.

Caso não consiga um acordo interpalestino, o Egito abriria a passagem fronteiriça de Rafah aos residentes de Gaza e às mercadorias de forma permanente, destacaram as fontes, além de negociar um troca de presos entre Hamas e Israel.

Hamas e o Egito também acordaram que, no segundo caso, seria retomada a cooperação na luta contra o terrorismo, especialmente na península do Sinai, onde os grupos armados radicais se fortalecem, segundo as autoridades egípcias com apoio recebido desde a Faixa.

As fontes consultadas pela Efe apontaram que a Administração dos Estados Unidos deu sinal verde à iniciativa egípcia, ao mesmo tempo que Israel abandonou as condições que exigiam o desarmamento do Hamas e a libertação dos presos israelenses em mãos do movimento islamita.

Nesta semana, representantes do Hamas e do Fatah viajaram para o Cairo para tentar voltar ao acordo entre ambos, mas não ocorreram avanços e as duas delegações não chegaram a se reunir frente a frente, mas separadamente com os serviços de inteligência egípcios, que atuam de mediadores.

O acordo de outubro pôs fim a mais de uma década de distanciamento e divisão, desde que o Hamas tomou o poder em Gaza e expulsou a ANP da Faixa, que governa somente na Cisjordânia.