Inflação nos EUA atinge maior acumulado em 12 meses desde 1982

Alimentos e combustíveis estão entre bens de consumo mais voláteis que ajudaram a aumentar o índice no país

  • Por Jovem Pan
  • 10/12/2021 16h02
ANDREW CABALLERO-REYNOLDS / AFP carro passando na frente da logomarca de um posto de gasolina Preço dos combustíveis ajudaram no aumento da inflação no país norte-americano

A inflação nos Estados Unidos subiu 0,8% em novembro na comparação com outubro, e alcançou o acumulado de 6,8% nos últimos 12 meses, o que representa o índice mais alto registrado no país desde 1982. As informações foram divulgadas nesta sexta-feira, 10, pelo Escritório de Estatísticas Trabalhistas do país. O acumulado até novembro ficou acima das previsões da maioria dos analistas, que esperavam uma taxa superior a 6%, no entanto, sem se aproximar dos 7%, como aconteceu. Se forem excluídos os preços dos alimentos e dos combustíveis, que são os mais voláteis, a inflação subjacente de novembro foi de 0,5%, com uma taxa anual de 4,9%. O valor pago pela energia foi o que mais subiu no mês passado, em 3,5%, enquanto os alimentos tiveram alta de 0,7%, segundo informe do governo.

Os preços dos combustíveis, por sua vez, avançaram 6,1% em novembro, alcançando o acumulado de 58,1% em 12 meses. Os índices divulgados nesta sexta colocam mais pressão no Federal Reserve (Fed), que é responsável pela política monetária dos EUA, diante de cobranças pelo fomento do pleno emprego e da estabilidade dos preços. Em novembro, o Fed manteve a taxa de juros no país variando de zero a 0,25% e anunciou o início da redução das injeções de liquidez em US$ 15 bilhões ao mês. Uma inflação em disparada, como a que apontam os dados, poderia levar a cúpula do banco central americano a acelerar o ritmo ou a quantia da retirada dos estímulos à economia.

*Com informações da EFE