Irã alega que armas utilizadas para matar cientista nuclear eram de Israel

Autoridades iranianas já vem acusando seu inimigo de longa data de estar envolvido na morte do físico; autoridades israelenses ainda não se pronunciaram a respeito

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2020 12h23 - Atualizado em 30/11/2020 16h04
EFE/EPA/DEFENCE MINISTRY OFFICE HANDOUTO funeral do físico nuclear Mohsen Fakhrizadeh foi realizado nesta segunda-feira, 30

O canal de televisão iraniano Press TV afirmou nesta segunda-feira, 30, que foram fabricadas em Israel as armas utilizados no assassinato de um dos mais prestigiados cientistas nucleares do Irã, Mohsen Fakhrizadeh. Na última sexta, o físico e os seus guarda-costas estavam em um carro, nos arredores da capital Teerã, quando armas automáticas acopladas a um outro veículo foram acionadas por controle remoto. A imprensa local afirmou que “as armas recolhidas no local do ato terrorista trazem o logotipo e as especificações da indústria militar israelense”, mas não especificou quem foi a fonte dessa informação. As autoridades de Israel ainda não se pronunciaram sobre as acusações.

Desde o dia do ataque, autoridades iranianas já vem acusando Israel, seu inimigo de longa data, de ter ordenado o assassinato do cientista, que acreditava-se ser um dos chefes do programa nuclear do Irã. Na própria sexta-feira, 27, o ministro de Relações Exteriores, Mohammed Javad Zarif, indicou que haviam “sérios indícios do papel israelense” na morte. No sábado, 28, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, acusou Israel do crime e prometeu uma resposta. Com medo de represálias, Israel colocou as suas embaixadas em alerta.

O corpo de Mohsen Fakhrizadeh foi enterrado nesta segunda-feira, 30, em santuário ao norte de Teerã. Apesar de terem sido dois dias de rituais fúnebres em homenagem ao cientista nuclear, os eventos foram realizados com número limitado de pessoas por causa da pandemia de coronavírus. Estiveram presentes parentes da vítima e algumas autoridades iranianas. Durante o ato, o ministro da Defesa, Amit Hatami, garantiu o líder supremo do Irã, Ali Khamenei, perseguirá os autores do assassinato de Fakhrizadeh: “Eles devem saber que serão punidos por suas ações”, assegurou.

*Com informações de agências internacionais