Jovem que matou duas pessoas em ato antirracista nos EUA é absolvido após alegar legítima defesa

Kyle Rittenhouse, que é branco e tinha 17 anos quando cometeu o crime, afirmou que não fez nada de errado e foi considerado inocente pelo júri de Wisconsin

  • Por Jovem Pan
  • 19/11/2021 17h53
EFE/EPA/TANNEN MAURY pessoas com placa 'legítima defesa não é crime' diante da corte em Wisconsin Pessoas compareceram diante de tribunal em Wisconsin com placas afirmando que "legítima defesa não é crime"

Após duas semanas de julgamento, um júri de Wisconsin, nos Estados Unidos, absolveu nesta sexta-feira, 19, o norte-americano Kyle Rittenhouse, de 17 anos, de acusações movidas contra ele, que matou duas pessoas e feriu uma durante um protesto antirracismo na cidade de Kenosha em 2020. De acordo com a polícia, o menor de idade branco estava com um fuzil AR-15 munido de 30 balas quando cometeu o crime. Alguns vídeos que mostravam ele sendo seguido por manifestantes foram usados pela defesa para alegar que ele apenas disparou por correr risco de vida e em fala na Corte Kyle voltou a defender que “não fez nada de errado”. Em pronunciamento à imprensa norte-americana, um porta-voz da família Rittenhouse afirmou que o júri foi “consciente” na sua decisão. “Justiça foi feita para Kyle. Ele ganha a chance de viver a vida como um jovem homem livre”, disse. O júri que deu o veredito de liberdade ao jovem, formado por sete mulheres e cinco homens, apenas um deles negro, deliberou sobre o resultado por 26 horas e o considerou inocente de todas as cinco acusações movidas contra ele: tentativa de homicídio de uma pessoa, dois homicídios dolosos e duas penalidades por “conduta imprudente”.